O vice-governador e secretário da Agricultura, Orlando Pessuti, destacou nesta quinta-feira (5), em Curitiba, a participação do deputado federal Moacir Micheletto e do presidente do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Amadeu Geara, na apresentação e encaminhamento da proposta de medidas, junto aos órgãos do Governo Federal em Brasília, que flexibilizaram o Programa de Desenvolvimento do Agronegócio (Prodeagro) para o setor avícola.

Segundo Pessuti, ambos tiveram um envolvimento direto para que as reivindicações dos representantes paranaenses do setor fossem atendidas pelo Governo Federal. ?Eles não mediram esforços para defender a proposta de modernização do setor avícola do Paraná e do País nas audiências que aconteceram nos ministérios da Agricultura e do Planejamento?, informou.

De acordo com a Resolução 3.337 do Banco Central do Brasil, do dia 23 de dezembro de 2005, o Conselho Monetário Nacional ampliou, de cinco para até oito anos, o prazo de reembolso para os financiamentos destinados à avicultura.

Segundo as regras do Prodeagro, o limite de valor dos financiamentos por cliente, no período de 01 de julho de 2005 a 30 de junho de 2006, é de até R$ 200 mil nos empreendimentos individuais. No caso dos empreendimentos coletivos, respeitado o limite individual por participante, o limite de valor dos financiamentos é de até R$ 600 mil. A taxa de juros é de 8,75% ao ano, incluída a remuneração da instituição financeira credenciada de 3% ao ano.

Pessuti informou que, através de uma ação conjunta que envolveu a Secretaria da Agricultura, Micheletto, Geara, o superintendente BRDE em Curitiba, Carlos Areton Azzolin Olson, e os representantes da avicultura do Paraná, como Sindiavipar e Avipar, a proposta das medidas que beneficiam o setor foi apresentada em Brasília e aceita pelas autoridades competentes. ?A união dos governos federal, estadual e do setor privado foi importante e necessária para que os produtores de aves de corte e postura de todo o País fossem beneficiados?, concluiu.