Aliocha Maurício / GPP
Aliocha Maurício / GPP

De janeiro a junho, o Estado registrou 69.907 novos empregos com
carteira assinada.

O Paraná gerou 4.609 empregos formais no mês de junho, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quinta-feira (27) pelo Ministério do Trabalho. O resultado foi o melhor entre os Estados do Sul e amplia para 69.907 o número de novos empregos com carteira assinada no primeiro semestre de 2006, também maior que os verificados em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul.

Em junho, o Paraná ficou entre os quatro Estados que mais geraram empregos no país, juntamente com São Paulo (58.342), Minas Gerais (54.168) e Pernambuco (6.828). Já no semestre, o Paraná se manteve no ranking dos três maiores geradores de novas oportunidades de trabalho, ao lado de São Paulo (440.903) e Minas Gerais (181.015). Nesse período, Pernambuco teve saldo negativo (-4.671).

Agora, já são 327.299 empregos formais criados no Paraná desde 2003. ?É um recorde histórico nos levantamentos do Caged?, afirma o secretário do Emprego e Relações do Trabalho, Emerson Nerone. ?A tendência é de que, a prosseguir esse ritmo, os resultados do ano de 2006 fiquem próximos aos de 2004, o melhor desde que o Caged iniciou o comparativo?.

Em 2003, o Paraná gerou 62.370 empregos. No ano seguinte, o resultado subiu para 122.648. Em 2005, o total ficou em 72.374. ?Isso significa que os números do primeiro semestre de 2006 já estão muito próximos aos do resultado de todo ano passado?, acrescenta Nerone. ?É preciso ponderar, no entanto, que, no fim do ano, ocorre normalmente uma queda na oferta de empregos em todo país?.

Ainda segundo o Caged, no semestre, o Paraná ampliou a taxa de empregos em 3,95%. A média nacional foi calculada em 3,55%. No mês de junho, índice paranaense ficou em 0,25% para uma média brasileira de 0,58%.

O levantamento do Ministério do Trabalho aponta também que a maioria dos empregos do Paraná tem sido registrada no interior do Estado. Dos 69.907 empregos gerados no Paraná no primeiro semestre deste ano, por exemplo, só 21.639 foram verificados na Região Metropolitana de Curitiba. Já no mês de junho, a RMC ficou com 1.192 dos 4.609 empregos gerados no Estado.

Outro comparativo positivo é que o Paraná sozinho gerou no semestre mais empregos que os sete Estados do Norte (26.197) e os nove Estados do Nordeste (6.493) juntos. O resultado dos seis primeiros meses do ano no Paraná também foi superior ao dos quatro Estados do Centro-Oeste (58.901) juntos.

Entre os setores de destaque na criação de empregos em junho estão a indústria de transformação (2.351) e serviços (2.182). Os dois setores estão em destaque também no acumulado de janeiro a junho. No setor da indústria de transformação foram 24.352 contratações durante o primeiro semestre e no setor de serviços, 21.639.

?Os números mostram que o Paraná tem uma política eficiente de geração de emprego e renda?, destaca o secretário Emerson Nerone. ?É uma política pública que troca impostos por empregos. É o caso da isenção do ICMS para as microempresas e da redução do imposto para pequenas e médias empresas. Esse mecanismo, aliado aos programas de qualificação, tem permitido o crescimento de pequenos empreendimentos e a conseqüente geração de mais empregos no Estado?.

O secretário ainda destaca que, apesar das dificuldades que a região Sul está sofrendo com a falta de chuvas, o Paraná manteve o crescimento. ?Isso nos deixa seguros do nosso potencial para alcançar resultados ainda melhores, em condições normais?, complementa Emerson Nerone.