Os sintomas mais comuns da nova gripe são febre repentina, tosse, dores no corpo e calafrios. No entanto, a população deve ficar atenta a outros indícios da doença. Segundo dados do Centro de Informações Estratégicas e Respostas Rápidas de Vigilância em Saúde (Cievs), dos casos confirmados da Influenza A (H1N1) no Paraná, até a primeira quinzena de agosto, 61% dos pacientes tiveram conjuntivite, por exemplo.

A análise epidemiológica elaborada pelo setor da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) mostra que 54% das pessoas infectadas pelo vírus da gripe A apresentaram dor de garganta; 45%, falta de ar; 37%, dor nas articulações, e 13%, diarréia. Entre os indícios com mais ocorrências estão tosse (95% dos doentes), dores musculares (68%) e calafrios (62%), além de febre.

De acordo com a coordenadora do Cievs, Miriam Woiski, para um caso ser considerado suspeito da nova gripe, não é preciso que a pessoa tenha todos os indícios da enfermidade. “Ao ter febre ou calafrio associado a algum outro sinal, deve-se procurar uma unidade básica de saúde ou um médico de confiança, para que seja feito o devido diagnóstico e tratamento”, ressalta.

Orientações

Para que a doença não se alastre, outras orientações da Sesa são: os pacientes com sintomas de gripe devem ficar em isolamento domiciliar durante sete dias – período de incubação do H1N1 -; usar máscara, para evitar que o vírus se espalhe, e cobrir a boca e o nariz ao tossir ou espirrar, de preferência com um lenço descartável.

Já as pessoas que não estão doentes devem evitar locais com aglomeração populacional, lavar as mãos frequentemente com água e sabão ou higienizá-las com álcool gel, evitar tocar os olhos, nariz e boca antes de limpar as mãos, e manter as janelas abertas e ambientes bem arejados. Para mais informações, acesse www.novagripe.pr.gov.br.