Três caminhões carregados de madeira extraída ilegalmente foram apreendidos na noite de anteontem, nas proximidades de Guarapuava, em uma ação conjunta entre Polícia Militar, Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e Ministério Público (MP) estadual. Os caminhões estavam carregados de madeira nativa, como pinheiros, canelas e bracatingas, além de pinus extraídos de propriedades proibidas de serem exploradas por causa de trâmites judiciais. Os motoristas foram ouvidos pela polícia, pagaram multa de R$ 5 mil e tiveram a carga e os veículos apreendidos, além de duas motosserras.

A madeira era proveniente da Serra da Esperança – localidade de Rio das Pedras, distante 30 quilômetros de Guarapuava -, área considerada frágil do ponto de vista ambiental por causa dos solos rasos, relevo montanhoso e por ser composta principalmente por remanescentes de florestas. ?Surpreendemos os caminhões com lenhas, toras de madeira nativa, usadas para laminação, e toras de pinus, vendidas para fábricas de pasta de papel?, conta o chefe regional do IAP em Guarapuava, Jairo Macedo.

Os pinus levados pelos caminhões foram retirados de uma área de 75 hectares que possui volume significativo da árvore. O local é explorado ilegalmente, por posseiros, já que há disputas judiciais envolvendo a posse legítima da terra, motivo que dificulta estabelecer o tamanho exato de toda a área onde a madeira está sendo cortada. ?Além disso, há muitas propriedades documentadas nas imediações, o que dilui a atuação dos posseiros?, diz.

Pelo depoimento dos motoristas, a PM relacionou nomes de pessoas que moram em Guarapuava supostamente envolvidas e descobriu a origem e o destino da madeira. Os órgãos devem promover incursões como essa pelo menos uma vez por semana na região.