O acordo entre governo do Estado e professores para resolver as reivindicações da categoria depois das cerca de 14 mil demissões feitas pela Secretaria de Estado da Educação (Seed) em dezembro vai ter de esperar até segunda-feira. No entanto, conforme a Procuradoria Regional do Trabalho (PRT), já é possível adiantar que a possibilidade levantada na audiência de anteontem de retroceder nas demissões e prorrogar os contratos por mais um ano está descartada. Com isso, o órgão deve se focar no Processo de Seleção Simplificado (PSS) e na probabilidade de realizar concurso público para atender às demandas do quadro da Educação ainda em 2007.

O procurador regional do Trabalho, Inajá Santos, que participa das negociações, disse que esteve em contato ontem, com a Seed e teve a confirmação da impossibilidade em prolongar os contratos, voltando atrás nas demissões. ?É impossível por causa das verbas rescisórias?, argumentou. Com isso, a principal reivindicação da APP – Sindicato dos Trabalhadores da Educação do Paraná fica descartada. A intenção do procurador é pedir que o Estado reavalie os indeferimentos das inscrições feitas pelos temporários para PSS. Depois que isso acontecer, acredita, será mais fácil saber também o número de vagas para concursados que a Seed necessita.