Pouco mais de quatro meses após o assassinato da estudante Nathalia Deen, de 22 anos, morta a facadas pelo ex-namorado Mateus Gonçalves, a Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) resolveu expulsar o aluno da instituição. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Estado do Paraná nesta quarta-feira (22), já que o prazo para que Mateus recorresse terminou na última sexta-feira (17). O crime aconteceu no dia 6 de abril, em Ponta Grossa.

De acordo com informações do portal G1, as investigações apontaram que, depois da morte de Nathalia, Mateus tentou se suicidar dentro das dependências da universidade. Mateus, que era aluno do 3º ano de Agronomia, teria tentado encontrar, dentro de um laboratório do Bloco M, um produto químico para tomar. Como não achou nada que pudesse ser usado para este fim, ele usou cacos de vidro.

Nathalia, que também estudava Agronomia na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), foi morta no apartamento onde morava, no bairro Uvaranas. Ainda segundo informações do G1, uma câmera de segurança registrou o momento em que Mateus pulou o muro do condomínio e fugiu do local. De acordo com a polícia, ele foi encontrado horas depois com cortes nos pulsos em uma sala da UEPG.

Leia mais: PM que matou Renata Larissa é suspeito de outros 17 casos

Denúncia do MP

A denúncia do Ministério Público do Paraná (MP-PR) indica quatro agravantes para o homicídio, que são: feminicídio, uso de meio cruel, motivo torpe e impossibilitar a defesa da vítima. O MP-PR também pede a condenação do ex-namorado por tentativa de homicídio triplamente qualificado por ter esfaqueado o irmão da vítima, que também estava no apartamento.

O processo corre em sigilo e está na fase de instrução, para definir se réu vai ou não a júri popular.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Nenhuma a menos!