O rompimento de uma adutora que transporta água bruta do Rio Congonhas à central de tratamento da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) de Cornélio Procópio, no norte pioneiro do Estado, deixou 48 mil pessoas sem água desde o início da manhã de ontem na cidade. Os pilares de concreto que sustentam a adutora não aguentaram o peso da chuva acumulada no final de semana e se romperam a cerca de cinco quilômetros da central de tratamento, no distrito de Congonhas, vizinho a Cornélio Procópio.

O vazamento foi observado às 6h30 de ontem por técnicos da Sanepar de Cornélio Procópio, que já estavam trabalhando no conserto e nas investigações de outros fatores que poderiam ter contribuído para o acidente. “Nossa preocupação no momento é restabelecer a produção e a distribuição de água para Cornélio Procópio. Já estamos fazendo a sustentação da adutora com madeira para reduzir o tempo de trabalho e interrupção de serviços. Só após a normalização do serviço vamos realizar a recuperação definitiva dos pilares e os estudos sobre outras possibilidades que podem ter causado o acidente”, explica o gerente da Sanepar em Cornélio Procópio, Milton Borghi. “É um acidente grave e, por conta da dificuldade de acesso e locomoção da equipe, o conserto torna-se demorado”, complementa.

De acordo com Borghi, o abastecimento de água em Cornélio Procópio deverá voltar ao normal gradativamente. “A normalização acontecerá aos poucos. Estimo que todos estarão com água até a noite de quarta-feira (hoje). É preciso que a população colabore com a economia de água, redução do tempo no banho e não gaste água lavando roupas e calçadas, por exemplo. Como a volta deve acontecer logo, sugiro que isso seja feito após a estabilização do serviço”, solicita.