O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai participar pela primeira vez de financiamentos de custeio para a agricultura familiar, e os recursos serão repassados diretamente ao Sistema Cresol, de cooperativas de crédito rural.

O secretário da Agricultura e do Abastecimento Valter Bianchini esteve nesta segunda-feira (25) na solenidade de assinatura e liberação de R$ 5 milhões em recursos de custeio da safra pelo BNDES. O evento reuniu cerca de 500 agricultores familiares no restaurante Madalosso, em Curitiba.

O ato marcou o início da operação do BNDES no financiamento do custeio da safra para a Agricultura Familiar. Os recursos, destinados ao final do custeio da safra 2006/2007, serão repassados ao Sistema Cresol de Cooperativas de Crédito Rural com Interação Solidária, que já tem parceria com o BNDES desde 1997, no financiamento de investimentos.

Para Bianchini, a operação de custeio direta com o BNDEs representa autonomia do Sistema Cresol e vai facilitar a operação junto aos agricultores familiares, que terão mais acesso ao crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Outra vantagem, apontada pelo secretário, é que essas operações fortalecem a relação com o banco de desenvolvimento que é o representante mais próximo do governo federal na aplicação de recursos.

Segundo o secretário, esse ato de liberação de recursos é histórico e importante. ?Sabemos que essa caminhada do Sistema Cresol tem contribuído com o fortalecimento da Agricultura Familiar e hoje está dando mais um salto importante que é a parceria com o BNDES?. De acordo com Bianchini, o Sistema Cresol atua em áreas esquecidas de linha de crédito para os pequenos agricultores familiares. ?Queremos ver semeados Cresóis nos municípios e consolidar um novo retrato para a área rural do Estado?, afirmou.

Sistema Cresol

O Sistema Cresol opera com cerca de 55 cooperativas de crédito no Paraná e outras 70 unidades em Santa Catarina. A expectativa para o ano-safra 2007/2008, que se inicia em julho, é aplicar quase R$ 100 milhões em recursos do BNDEs para o financiamento da safra. Desse total, R$ 50 milhões serão destinados ao custeio e outros R$ 40 milhões para investimentos, devendo beneficiar de cinco a oito mil agricultores diretamente, informou Flávio Marcos da Silva, diretor-financeiro da Central Cresol-Baser.

Silva explicou que a operação de custeio, via BNDEs, elimina a intermediação do sistema financeiro e torna o caminho mais curto para o acesso ao crédito. Com isso, os agricultores familiares serão beneficiados com o financiamento de atividades diferenciadas em cada região. ?Com o sistema atual, os bancos seguem uma planilha de aplicação muito congelada, construída em Brasília para todo o País que não contempla atividades particulares nas regiões?, justificou o diretor do Sistema Cresol.