Descarrilamento derramou
diesel e óleo vegetal.

A Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina (Fatma), órgão ambiental correspondente ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP), multou a empresa América Latina Logística (ALL), concessionária que administra a malha ferroviária Sul, em R$ 5 milhões pelo acidente do dia 14, que atingiu o Rio Negro, na divisa entre os dois estados. A direção da Fatma confirmou ontem que o auto de infração foi lavrado no final de semana.

A composição da ALL, com duas locomotivas e cinco vagões carregados com óleo vegetal e óleo diesel, tombou no município de Mafra, em Santa Catarina, vizinho à cidade de Rio Negro, no Paraná. Quatro vagões descarrilaram, causando o vazamento de cerca de 180 mil litros dos produtos (60 mil litros de óleo diesel e 120 mil de óleo vegetal), que inicialmente atingiu um córrego e logo em seguida o Rio Negro.

Por causa do acidente, o abastecimento de água das duas localidades foi interrompido pela Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) e Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan). O município catarinense de Três Barras também teve o abastecimento comprometido. Durante dois dias, os moradores receberam água de caminhões-pipa. O fornecimento só foi totalmente normalizado no último sábado.

De acordo com o promotor de justiça de Mafra que acompanha o caso, Laudares Capella Filho, o trecho onde ocorreu o descarrilamento, que estava embargado, já passou por uma vistoria e está liberado. No entanto, a empresa terá que adotar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para continuar operando no local. A ALL já foi notificada da multa e terá um prazo para apresentar sua defesa. “Foi um acidente de grandes proporções e a empresa já foi notificada. O vazamento foi contido, mas o impacto causado pelo derramamento de óleo causou prejuízos”, destacou.

O biólogo do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e de Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Valdemir Castilho, informou que a entidade ainda aguarda os laudos de análise da água e do solo da região para que um auto de infração também seja elaborado e enviado à ALL. “O impacto ambiental foi grande e, sem dúvida, o Ibama também vai multar a empresa. Só ainda não podemos falar de valores sem os laudos”, explicou.

Ele também informou que os técnicos do Ibama ainda monitoram o local do acidente, mas assegurou que tudo foi restabelecido e não há maiores problemas. “Não constatamos nenhum animal morto nas proximidades. O óleo vegetal acabou sendo absorvido pelo solo, por isso estamos aguardando as análises para fazer um relatório final”, completou.

ALL

No final da tarde de ontem, representantes da ALL, da Fatma e o promotor de justiça de Mafra se reuniram na sede da empresa em Curitiba e iniciaram as negociações sobre a aplicação do TAC. A empresa informou que ainda não foram apuradas as causas do acidente, e confirmou a notificação da multa aplicada pela Fatma, mas não se manifestou sobre a assunto.