Apesar de prevista no Código de Trânsito Brasileiro, em vigor desde 1997, a regra que obriga o uso de cinto de segurança em ônibus de viagens não pegou. De acordo com pesquisa da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), apenas 2% dos passageiros das linhas intermunicipais e internacionais usam o equipamento durante as viagens.

Diante desse cenário, agentes da ANTT intensificaram as fiscalizações no fim do ano. Em Curitiba, na Rodoferroviária, a ação começou na sexta-feira. Noel Pereira, fiscal do órgão, afirma que o objetivo da ação é conscientizar os passageiros.

“Verificamos se o veículo está equipado com cintos de seguranças em todos os bancos. Em seguida, com o motorista, alertamos a todos que a lei exige o uso do equipamento e reforçamos como o cinto pode salvar uma vida”, afirma Pereira.

Segurança

Segundo a ANTT, em caso de acidente o equipamento diminui a possibilidade de morte em 75%. “Mesmo avisando antes da viagem e durante as paradas, muitos tiram o cinto nos primeiros minutos de viagem”, afirma o motorista Leandro Buniowski.

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e com a Resolução 643 da ANTT não usar o equipamento durante toda viagem é infração grave e a multa para o motorista e para a empresa varia entre R$ 1 mil e R$ 3 mil.