A Agência Reguladora do Paraná (Agepar) voltou atrás e suspendeu temporariamente, nesta terça-feira (1º), o reajuste de 9,62% pedido pela Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) nas tarifas de água e esgoto. A nova alíquota só deve ser definida após um procedimento de negociação mediada entre Sanepar e governo do estado.

LEIA AINDA – Área pra pedestres e ciclistas gera polêmica na região do Mercado Municipal de Curitiba; Assista!

O aumento pedido pela companhia havia sido homologado no dia 25 de agosto. No entanto, o reajuste chamou a atenção dos deputados estaduais, alguns da base aliada ao governo, que criticaram a alíquota pedida pela companhia. O governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) pediu então, via Casa Civil e Procuradoria-Geral do estado, a reconsideração.

De acordo com a Agepar, governo e Sanepar se reuniram em uma audiência de mediação nesta segunda-feira para apresentar suas justificativas. As partes acordaram prazos para avaliar os apontamentos, que foram aceitos por unanimidade pelo conselho diretor da Agepar na reunião extraordinária desta terça-feira (1º.).

LEIA MAIS – Venda de caixa d’água dispara em Curitiba com rodízio da Sanepar: saiba como instalar

Agora, governo terá cinco dias úteis para apresentar por escrito as razões para revisar o reajuste pedido pela Sanepar. A companhia, por sua vez, terá até 90 dias corridos para responder ao estado. O Paraná terá direito ainda a uma réplica em cinco dias úteis. Somente após essa mediação, a Agepar votará o novo reajuste.

A Gazeta do Povo tem tentado, por reiteradas vezes, contato com a diretoria da Sanepar, mas ainda não teve os pedidos de entrevista atendidos.