Ontem, dia 26 de julho, comemorou-se o Dia dos Avós. Uma data que poucos se lembram, talvez porque nos dias dedicados às mães e aos pais eles já sejam lembrados. Afinal, são “pais e mães duas vezes”. Nesta data, a liturgia celebra a Festa de São Joaquim e Sant?Ana que, segundo a tradição cristã, foram pais de Maria, portanto, avós de Jesus.

Em Curitiba, um local de encontro para os vovôs e vovós é o Sesc da Água Verde, na Avenida República Argentina, 944, que comumente mantém atividades para os representantes da terceira idade, desde o lazer à área da educação. Luciane Rocale, responsável pelo setor educacional, explica que são oferecidas matérias básicas de primeira a quarta série. O Sesc fornece desde a mala e o lanche até o material didático. O objetivo principal é dar acesso à escolaridade básica para quem não teve oportunidade. As turmas têm aulas em dias alternados sempre à tarde ou à noite.

Outra atividade muito procurada é o jogo de bocha, todas as sextas-feiras, a partir das 14h. A inscrição custa R$ 1,50. “A cada torneio há uma pontuação”, disse a responsável pelo setor de recreação e esportes, Sandra Regina Cazarin. No fim do ano, os vencedores são premiados com troféus.

Também há os bailes da maturidade, tardes dançantes, toda quarta-feira, a partir, das 14h. Qualquer pessoa acima dos 45 anos pode participar. O evento é feito no salão, com música ao vivo. Existem outras atividades físicas e cursos para a terceira idade, com preços acessíveis, mas a idade mínima é 55 anos.

O grupo de teatro do Sesc, coordenado pela professora Marinei, também entusiasma os idosos e a maioria considera o local com uma segunda família. O grupo ensaia uma peça que será apresentada na semana que vem. Marinei além de professora é diretora de marketing e cultura do Sesc, ela procura ensinar a arte de atuar e exercícios para o corpo, como alongamento, aquecimento, cabeça, memória, aquecimento e daí partir para o ensaio. A veterana das atrizes é Maria Chieschim, uma viúva de 89 anos, que é bisavó de uma moça de 22 anos. Ela disse viver o texto, pensar naquilo que está fazendo.

Outra participante do grupo de teatro é Gentilina Lunardon Gusso, de 81 anos, seis filhos, dezoito netos, três bisnetos, que também participa do coral. Gentilina contou que viaja muito, e que isso ajuda a espantar a depressão. Olga Silva Pinto, 76, viúva e professora aposentada há 28 anos, é uma das assíduas jogadoras de bocha. Ela tem sete filhos, quinze netos e quatro bisnetos.