Curitiba vai ganhar uma casa de passagem para indígenas que se encontram em situação de rua na cidade. Em uma reunião mediada pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR), na última segunda-feira, órgãos governamentais chegaram a um acordo para a abertura emergencial da casa. O imóvel será cedido pela prefeitura e o serviço, coordenado pela Fundação Nacional do Índio (Funai). O governo do Estado se responsabilizará pelo fornecimento de mobília, utensílios domésticos e manutenção predial.

A unidade terá capacidade para abrigar até 70 pessoas e funcionará nesses moldes durante dois meses, quando novas medidas deverão ser tomadas pelos órgãos envolvidos. A prefeitura de Curitiba, por meio da Fundação de Ação Social (FAS), também fará a supervisão técnica do serviço e permanecerá fornecendo no período passagens de ônibus para os indígenas que desejarem retornar a seus municípios de origem.

“Temos a necessidade urgente de proteger principalmente crianças e adolescentes que estão em situação de rua ou trabalhando, o que não é permitido por lei”, afirma a promotora Laís Letchacovski, da Promotoria de Justiça da Vara de Infância e Juventude de Curitiba, representando o Ministério Público. “Por isso ela será destinada apenas a indígenas que estão na cidade para comercialização de artesanato”, diz a presidente da FAS, Marcia Oleskovicz Fruet.

A casa será aberta no espaço da unidade da FAS Amigo Curitibano, na Praça Plínio Tourinho, no Jardim Botânico.