Lucimar do Carmo / O Estado do Paraná
O banner de 20mx15m que o
balão carregava: perigo.

Um balão gigante caiu ontem, às 8h40, no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Com 7,5 metros de altura, 3,5 metros de diâmetro e ainda carregando um banner de 20 metros de altura por 15 de largura com a foto de uma mulher e as iniciais NAY, o balão colocou em risco a segurança de passageiros e funcionários do local.

Logo que ficou comprovado que o balão cairia na área do aeroporto, as equipes de emergência foram acionadas e ficaram de prontidão. Assim que o balão se aproximou do solo, os funcionários cuidaram de apagar a tocha, evitando um incêndio. “Ele caiu em um gramado entre o pátio de manobras e a pista de rolamento do aeroporto”, comenta o superintendente da Infraero, Antônio Filipe. “Por sorte, no momento da queda não tínhamos aeronaves pousando ou decolando e não precisamos interromper nossas operações normais.”

Feito de papel de seda e contendo grande quantidade de parafina na tocha, o balão poderia ter causado um acidente de grandes proporções. “Ele poderia ter caído em cima do terminal de passageiros ou mesmo sobre uma aeronave, gerando um grande incêndio”, afirma Antônio. “Pedimos às pessoas que nunca soltem balões nas proximidades do aeroporto, pois os perigos são imensos.”

O balão não chegou a entrar na rota dos aviões, caso contrário poderia ter sido sugado por uma turbina, causando desestabilidade na aeronave e mesmo derrubando-a. Em anos anteriores, a Infraero já registrou a queda de outros balões dentro do aeroporto, mas nunca um tão grande como o de ontem.

Polícia Florestal

A Polícia Florestal estava acompanhando o vôo do balão desde as 8h e, a partir dos próximos dias, estará trabalhando para identificar os responsáveis. “Soltar balões é considerado crime ambiental. Quem for pego em flagrante soltando, fabricando ou vendendo, fica sujeito a uma prisão de um a três anos”, explica o aspirante da Polícia Florestal Thiago José Perinazzo.

Ele diz que a polícia pretende chegar aos responsáveis pelo balão através de placas de veículos que estavam acompanhando o vôo pelas ruas de São José dos Pinhais. Outras pistas são a foto da mulher no banner e a inscrição “Stardust Balões”, presente no próprio balão e que deve indicar a equipe de baloeiros. Os policiais acreditam que eles sejam do próprio município de São José.