O secretário da Saúde, Beto Preto, afirmou nesta tarde de sexta-feira (15) que a vacinação contra a covid-19 pode não iniciar no dia 20 de janeiro. A declaração foi feita durante o carregamento de seringas e equipamentos feito na Central de Medicamentos do Paraná (Cemepar), no Jardim Botânico, em Curitiba.

“Com a intercorrência com os casos na Índia, pode ser que atrase. Não podemos criar uma falsa expectativa. Mas acredito que em torno do dia 20, 21, 23, teremos vacina”, explicou o secretário aos jornalistas.

LEIA TAMBÉM Se não houver explosão de casos, oxigênio será suficiente no Paraná, alerta entidade

A previsão é de que assim que as vacinas pousarem no país, o Ministério da Saúde deve fazer a repartição entre os estados, entregando as doses ao Paraná. “A nossa ideia é nos preparar para vacinar os 399 municípios. Não tem divisão, nem diferença”, afirmou Beto Preto.

Durante a tarde desta sexta, caminhões carregados com seringas e agulhas foram encaminhados para as 22 regionais de saúde do Paraná.

Paraná oferece leitos para pacientes de Manaus

Em solidariedade a situação crítica de Manaus, capital do Amazonas, o estado do Paraná ofereceu nesta sexta 30 leitos de enfermaria para pacientes com coronavírus e mais 25 leitos de UTI neonatal para recém-nascidos em Campo Largo, na região metropolitana.

Segundo o presidente da Federação das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Beneficentes do Estado do Paraná (Femipa), Flaviano Ventorim, o Paraná segue numa situação mais tranquila que o Amazonas. No entanto, um aumento abrupto de casos pode mudar a situação do estado. “O que a gente tem que ter é cuidado com os surtos. Até o momento a gente não tem relato de hospitais com dificuldade de abastecimento de oxigênio”, explicou Ventorim ao jornal da RPC Bom Dia Paraná nesta sexta-feira (15).