A soldado Lilian Vilas Boas, 32 anos, do Corpo de Bombeiros do Paraná, vai recorrer da punição que recebeu por participar de um ensaio fotográfico que tinha como objetivo o empoderamento feminino. Ela pode ficar oito dias presa no quartel da corporação por desobedecer regulamentos éticos do Exército e da Polícia Militar. O caso virou causou polêmica e, ao portal G1, a bombeira se disse assustada com a repercussão. 

Veja também: Bombeira é punida com prisão por ensaio fotográfico sobre empoderamento

Após a divulgação fotos da bombeira em um site, foi aberto um procedimento investigatório interno, chamado de formulário de apuração por transgressão disciplinar. O resultado foi publicado no boletim interno dos bombeiros na última sexta-feira (22).

Em entrevista à Bandnews FM, a comandante do 7º Grupamento do Corpo de Bombeiros, onde Lilian está lotada, tenente Gisele Machado, disse que cabe recursos à decisão. “Agora tem os recursos que a acusada tem pra fazer, inclusive um deles é a primeira instância, que é pra mim. Justamente por isso, eu como ‘juiz’, não posso emitir nenhum juízo de valor agora”. Ela disse que a transgressão de Lilian foi considerada “média”.

Parte do ensaio era sensual e mostrava os seios de Lilian – e foram essas as imagens que causaram a polêmica. De acordo com o fotógrafo, Arnaldo Belotto, responsável pelo ensaio, as fotos foram feitas no começo deste ano, após uma amiga da bombeira também participar. “O objetivo do projeto é o empoderamento feminino, mostrar as mulheres sem tratamento de imagem, do jeito que elas são”, contou o fotógrafo.

Ensaio sensual 

Em uma conversa informal com ele, Lilian topou participar do ensaio, mas impôs uma condição que foi cumprida à risca pelo fotógrafo. As imagens não deveriam ter nenhuma relação com a corporação onde trabalha. E assim aconteceu. Mesmo com o cuidado de não expor a corporação, Lilian foi punida em razão de ter cometido uma transgressão considerada “média” pela corporação. Algumas pessoas próximas à Lilian protestaram pela decisão dos bombeiros em punir a soldado.

Durante o procedimento que apurou o caso dentro do 7º Grupamento, Belotto foi depor duas vezes.

“Se você procurar nas redes sociais há muitos militares homens que postam fotos sem camisa e com parte da farda, como calça ou shorts e, claro, nunca tiveram problema, mas o pior é que são as mulheres da corporação que estão cobrando punição à Lilian”, disse uma pessoa próxima da bombeira, que preferiu não ter o nome revelado. Uma tenente foi quem levou a documentação inicial que embasou a apuração.