Os bombeiros estão fiscalizando a formação de brigadas de incêndios em condomínios residenciais e comerciais em todo o Estado. A norma estabelece que pelo menos 80% dos funcionários do condomínio e mais um representante por andar do edifício (morador ou colaboradores de empresas) façam parte desta brigada. Os integrantes devem passar por treinamento específico a cada ano. A obrigatoriedade está prevista na Norma de Procedimento Técnico 17 do Corpo de Bombeiros do Paraná, de janeiro do ano passado. O documento está disponível no site www.bombeiros.pr.gov.br.

O capitão Luiz Alberto de Lima, adjunto do setor de engenharia do Corpo de Bombeiros, explica que a formação de brigadas de incêndio é prevista desde 1978, principalmente para os setores comercial e industrial. As normas tiveram algumas mudanças conforme os anos. Os condomínios residenciais também foram afetados pelas medidas. “Isto já estava previsto anteriormente. Era exigido que todos os funcionários do condomínio precisavam fazer parte da brigada. Agora é 80% dos funcionários e um morador por andar”, explica.

Emergência

O diferencial da brigada de incêndio em condomínios para as existentes em grandes empresas está no tempo de treinamento. No caso de indústria, por sua complexidade, o treinamento pode ter carga horária de 24 horas. Para a brigada residencial, o Corpo de Bombeiros exige o treinamento básico de quatro horas, que inclui o uso correto dos equipamentos de segurança e de combate ao fogo, além da evacuação dos ocupantes do condomínio em casos de emergência. “Quando é solicitada a vistoria anual, o condomínio tem que apresentar o certificado do treinamento. Se isto não acontecer, não são liberados os documentos da vistoria”, afirma Lima. O oficial esclarece que os treinamentos para brigadas de incêndio são promovidos apenas por empresas particulares.

Segurança pra coletividade

O Sindicato da Habitação e Condomínios do Paraná (Secovi-PR) recebe pedidos de informações sobre a formação das brigadas de incêndio. “A maioria dos condomínios ainda não fez adequações, mas existe a procura por cursos e palestras”, explica Geórgia Bojarski Wiese, advogada do Secovi-PR. De acordo com ela, a instalação das brigadas em condomínios é vista como fator positivo porque gera segurança para a coletividade.