Após a polêmica proibição do uso de sungas na temporada passada, o Corpo de Bombeiros liberou os guarda-vidas de trabalhar com a vestimenta nas praias na Operação Verão 2018, que começou na última quinta-feira (21). Nesta sexta-feira (22), a liberação da sunga foi repassada à última turma de bombeiros vinda de outras regiões do estado para reforçar o efetivo no litoral. Ao chegarem ao quartel no balneário Santa Terezinha, em Pontal do Paraná, os militares receberam as orientações diretamente do tenente-coronel Jair Pereira, comandante do 8º Grupamento de Bombeiros (8º GB). No total, a corporação terá um efetivo de 660 militares na temporada e, pela primeira vez, o reforço de 21 guarda-vidas civis.

Leia mais: Quatro pontos impróprios para banho no Paraná

“Atendendo a uma solicitação de outras temporadas e seguindo orientação do Comando do Corpo de Bombeiros, vamos disponibilizar também essa flexibilidade para que o guarda-vidas possam optar entre usar a sunga ou usar o calção e, assim, se sentir mais à vontade para realizar a atividade dele”, argumentou o tenente-coronel Jair Pereira, em texto publicado na página oficial da Operação Verão 2018 pelo Corpo de Bombeiros.

Leia também: Vai viajar? Acompanhe em tempo real o movimento nas estradas!

Logo no início da temporada 2017, o comando dos Bombeiros proibiu o uso de sunga, obrigando os guarda-vidas a trabalharem nas praias vestidos de bermudão e camisa manga longa. A alegação era de que a bermuda além de ser mais condizente com a imagem profissional dos militares, protegia mais áreas sensíveis do corpo à exposição solar. A corporação enfatizava ainda que o uniforme com bermuda e camisa manga longa seguia padrões internacionais de socorristas de praia. “Pretende-se passar para a população a imagem de que o profissional está lá para garantir a segurança das pessoas, e não expor sua imagem pessoal”, afirmava o Corpo de Bombeiros em nota encaminhada à Gazeta do Povo em fevereiro.

Fique ligado: Como vai ficar o tempo antes do Natal? 

Assaduras

A decisão de proibir a sunga começou a gerar desconforto entre os guarda-vidas poucas semanas após o início da temporada de 2017. A reclamação era de que a bermuda causava assaduras nas pernas, já que o guarda-vidas tem de entrar e sair do mar rapidamente várias vezes ao dia e a roupa permanecia molhada e grudada na pele.

A proibição da sunga levantou questionamento na época da União dos Praças do Corpo de Bombeiros do Paraná (UPCB-PR). A entidade chegou a enviar um ofício ao comando solicitando que o uso de bermuda fosse facultativo e que os bombeiros pudessem vestir sunga novamente.