O prefeito Cassio Taniguchi disse na tarde desta segunda-feira (05) que a lentidão da negociação com o governo japonês para a obtenção da linha de crédito do Japan Bank for International Cooperation (JBIC) que financiaria o metrô em Curitiba impediu a contratação dos recursos nas condições estabelecidas em maio de 1999 – prazo de 40 anos para retorno (com 10 de carência) e juro de 1% ao ano ? e inviabilizou o projeto.

Cassio atribuiu a demora à burocracia do governo federal, que seria o tomador do empréstimo para a construção do metrô. ?Quando conseguimos o aval de Brasília, os recursos do fundo especial do governo japonês já haviam se esgotado.? O total previsto para o financiamento era de U$ 343 milhões para execução da primeira etapa do projeto, com a linha Sul/Centro, com 13,5 km de extensão.

Segundo o prefeito, o projeto de implantação do metrô em Curitiba não está abandonado. ?Estamos estudando alternativas, mas não desistimos porque achamos que Curitiba, uma cidade que sempre primou pela qualidade de seu transporte público, tem que continuar avançando?, disse.

O Ippuc está trabalhando em alternativas para a implantação de um sistema de transporte de alta capacidade em Curitiba e irá apresentar uma proposta nos próximos 15 dias. ?Tudo será discutido com a comunidade?, falou.

Uma das alternativas em estudo, segundo o prefeito, poderá ser a implantação do biarticulado no eixo da rodovia, que é uma importante ligação entre os bairros das regiões norte e sul e os municípios da Região Metropolitana.

Cassio informou que outros estudos estão sendo feitos para levantar novas fontes de recursos. O próprio JBIC ofereceu novas possibilidades de financiamento, como uma linha com juros de 1,5% ao ano e prazo de 15 anos para retorno. (ANC)