A estiagem e as altas temperaturas dos últimos dias provocaram o aumento do consumo de água em Londrina e Cambé, no Norte do Estado, provocando desabastecimento.

A Sanepar de Londrina está fazendo o controle de distribuição de águas nos bairros dos dois municípios, que têm o sistema de abastecimento integrado. A assessoria de imprensa da Sanepar informa que o problema ocorre somente na região de Londrina.

“Não há registro de nenhum tipo de problema na captação de água e o abastecimento de água está normal em outras regiões do Estado”, disse a assessoria de imprensa.

Segundo a Sanepar, aumentou em 5% o consumo de água em Londrina e em Cambé por causa do calor e da baixa umidade relativa do ar. Até o momento não há problemas com o volume de água dos rios Cafezal e Tibagi que abastecem os dois municípios. Os rios estão cheios.

A estiagem de Londrina está sendo considerada a segunda maior dos últimos 35 anos. Segundo o Simepar, a média histórica de chuvas em setembro, na cidade, é de 123 milímetros. Este ano, em setembro, choveu apenas sete milímetros.

No dia 30 de setembro, Londrina registrou temperatura de 37,8ºC e umidade relativa do ar de 17,2%. Curitiba também teve índice baixo de umidade relativa do ar no dia 29 de setembro, registrando 15,8% e temperatura de 30ºC.

Segundo a meteorologista do Simepar, Sheila Paz, quando a umidade relativa do ar fica abaixo de 40%, as pessoas já sentem desconforto, agravado pela temperatura elevada.

O Simepar registrou umidade relativa do ar de 36% na tarde desta sexta-feira (7), em Londrina, com uma temperatura que deve chegar a 34ºC. Em Curitiba, a umidade relativa do ar é de 28% na tarde desta sexta-feira e a temperatura deve chegar a 29ºC.

De acordo com a técnica em meteorologia do Simepar, Vanessa D’Ávila, a umidade relativa do ar está baixa desde o início da semana por causa de uma massa de ar seca e quente.

O Simepar prevê a chegada de uma frente fria no Paraná neste fim de semana e os índices de umidade relativa do ar tendem a aumentar. “O índice da umidade relativa do ar, com a presença de chuva, fica em 100%”, disse Vanessa.

Recomendações

Por causa da estiagem, das geadas e do ar seco, o Corpo de Bombeiros registrou, de janeiro a 6 de outubro, 8.231 ocorrências de incêndios ambientais no Paraná, sendo 1.031 em Curitiba e Região Metropolitana.

O major Maurício Aliski, assessor de imprensa do Corpo de Bombeiros, recomenda que se evite colocar fogo próximo à área de vegetação, a prática de queimadas para preparar solo para o plantio de novas culturas, e a soltura de balões, que provoca incêndios.