Foto: Chuniti Kawamura/O Estado

Remoção continuou ontem.

A presidente da Associação de Vendedores de Usados, Veículos e Ambulantes de Curitiba e Região Metropolitana, Liane Parise, acusa a Prefeitura de Colombo de destruir algumas barracas, durante o trabalho de retirada dos módulos da rua ao lado do terminal Alto Maranacã, na última terça-feira. A transferência está sendo feita porque o terminal vai entrar em reforma e a rua será remodelada. Mas o secretário municipal de administração, José Vicente da Silva, nega e afirma que as barracas foram desmontadas porque estavam muito velhas.

Liane diz que depois das 18h de terça-feira, quando a imprensa já não estava no local, a Prefeitura usou de truculência para a retirada das barracas. Algumas foram parar no chão, destruídas com a ajuda de um trator. O material passou a noite na rua, e desocupados aproveitaram para colocar fogo em parte delas. Ontem pela manhã, caminhões da Prefeitura estavam no local fazendo a limpeza da área e retirando as últimas barracas.

Orlando Pavão, 50 anos, estava na rua retirando a barraca em que vendia lanches e confirma a destruição. "Usaram o trator para pôr tudo abaixo", comenta. Ele também era só reclamação. Conta que a Prefeitura quer que todos os que trabalhavam com alimento no local passem a vender cachorro-quente. "Mas é só a noite. Como vou trabalhar com minha mulher? É muito perigoso aqui", disse. Além disso, não tem dinheiro para comprar o carrinho de cachorro-quente, que custa cerca de R$ 1,3 mil. "Vou trabalhar do que? Tenho mais de 50 anos e não consigo emprego", questionou.

Liane afirma ainda que outras barracas foram destruídas quando foram retiradas do caminhão no pátio de obras da Prefeitura.

O secretário José Vicente explica que as barracas não foram destruídas e sim desmontadas porque estavam velhas e não agüentariam ser transportadas inteiras. Com relação à venda só de cachorro-quente também confirma a mudança, mas disse que a Prefeitura está estudando uma solução para os ambulantes. Os camelôs estão sendo transferidos para outros três pontos da cidade. Mas só vão poder começar a trabalhar em fevereiro, com a inauguração dos terminais Guaraituba e Roça Grande e do Shopping Maracanã.