O secretário nacional Antidrogas, general Paulo Roberto Yog de Miranda Uchôa, esteve ontem em Curitiba participando do ciclo de debates que vai subsidiar o projeto de lei que cria o Conselho Municipal Antidrogas. Dos 5.622 municípios do País, 700 já criaram o conselho que tem o objetivo de organizar e apoiar as ações da sociedade.

A Região Sul do País apresenta os números mais preocupantes em relação ao consumo de drogas lícitas e ilícitas. Dados do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas dão conta de que 44% da população é fumante, enquanto a média nacional é de 41,1%. 69,1% ingerem bebidas alcoólicas contra 67% do resto do País, 9,5% consomem maconha contra 8,6% ; e 3,6% cocaína, contra a média nacioanal de 2%.

O secretário explica que o combate às drogas é complexo, já que existem três situações: o usuário, o crime organizado e o traficante. São necessários ações diferenciadas para combater cada uma. Pode ser a repressão ou a prevenção. Na segunda parte é que entram os conselhos comunitários, organizando ações locais para manter os jovens e a comunidade informados e longe do consumo de drogas. “É preciso criar para o jovem condições para que ele possa responder com maturidade se quer ou não usar drogas. Os jovens aprendem sobre elas com quem não deveriam aprender”, fala o secretário.

Em Curitiba também será criado o Fórum Municipal no Combate às drogas. Segundo o vereador André Passos, autor do projeto de lei que pretende criar o Conselho Municipal, 20 entidades que desenvolvem atividades na área se inscreveram para participar. O Paraná tem hoje 23 conselhos municipais.