A Secretaria de Estado de Justiça, Família e Trabalho (Sejuf) criou nesta quinta-feira (15) o grupo de trabalho “Caso Evandro: apontamentos para o futuro”, que tem como objetivo propor novas políticas públicas a partir da investigação policial do caso, ocorrido nos anos 1990 e tema de uma recente série de TV de sucesso.

LEIA MAIS SOBRE O CASO

> “Tortura é abominável”, revela Requião sobre gravações do caso Evandro

> Após revelações de série, acusadas do caso Evandro anunciam ação contra torturadores

> Áudios indicam tortura de acusados pelo crime do caso “Bruxas de Guaratuba”

Além de representantes do governo do estado, o grupo terá membros do Ministério Público (MP), Polícia Científica, Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp), Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), Defensoria Pública do Paraná, seção estadual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PR), Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas (Sicride), Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cedca) e Conselho Permanente dos Direitos Humanos (COPEDH-PR).

De acordo com a Sejuf, o grupo vai atuar em três frentes de trabalho: garantir que a prática da tortura não seja tolerada em nenhuma situação; políticas de infância, através da pauta das crianças desaparecidas; e apoio às famílias de crianças desaparecidas.

Ao longo dos próximos dois meses, o grupo vai convidar especialistas para debater possíveis melhorias nessas frentes a ao final será elaborado um relatório compilando essas sugestões, que poderão dar origem a novas políticas públicas no Paraná.