A vazão nas Cataratas do Iguaçu, um dos principais pontos turísticos do Paraná, está baixíssima nesta segunda-feira (14). Com uma paisagem de encher os olhos em épocas consideradas normais, atualmente quem chega ao Parque Nacional do Iguaçu, em Foz do Iguaçu, vê apenas alguns filetes de água escorrendo pelos 277 saltos catalogados nas Cataratas do Iguaçu.

Atualmente a vazão nas cataratas é de 308 mil litros por segundo. Pode parecer bastante, mas é apenas um quinto dos 1,5 milhão de litros por segundo em tempos normais.

Uma das explicações para a seca nas Cataratas do Iguaçu é a situação de estiagem pela qual passa a região de Curitiba, onde nasce o Rio Iguaçu. O rio corta todo o Paraná até chegar em Foz do Iguaçu. Porém, como moradores da Grande Curitiba sabem muito bem, esta parte do estado sofre com a estiagem, o que contribuí para o baixo nível do Rio Iguaçu.

+Leia mais! Avião que faz chover é testado pela Sanepar em Curitiba e região metropolitana

Rio Paraná

Além das Cataratas do Iguaçu, que tem sua vazão afetada por causa da seca na região de Curitiba, outro importante rio, desta vez que demarca a fronteira entre Brasil e Paraguai está com níveis considerados abaixo do normal, segundo boletim da Itaipu Binacional.

Em abril de 2020, o nível deste rio ficou tão baixo que moradores de Foz do Iguaçu conseguiram cruzar seu leiro a pé, deixando a famosa Ponte da Amizade de lado. No leito do rio até carcaças de carros chegaram a aparecer.