O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) tem até o dia 31 deste mês para completar o levantamento dos dados que irão compor o Censo 2010. No Paraná, 88% da população já responderam aos recenseadores, de acordo com os últimos dados repassados pelo chefe da unidade do IBGE no Estado, Sinval Dias dos Santos. Restam apenas 12%, dentre os quais, 5% são pessoas que não atenderam ou não estavam em suas residências no momento em que os recenseadores passaram pelo local. “Esses cidadãos, inclusive, já receberam um comunicado com o telefone do IBGE para remarcarem as visitas”, conta Santos. Ele faz um apelo para que as pessoas que se encontram nessa situação entrem em contato com o IBGE. “De qualquer forma iremos fechar o estudo dentro do prazo previsto, já que possuímos um bom percentual, mas é importante que os cidadãos participem para detalharmos ainda mais as informações sobre os habitantes do Paraná”, ressalta o chefe da unidade do IBGE no Paraná. Conforme Santos, os endereços que receberam o comunicado dos recenseadores foram visitados de três a cinco vezes pelos profissionais do IBGE, porém, não tiveram sucesso nas tentativas.

Na comparação entre Curitiba e região metropolitana e o interior, a Grande Curitiba fica atrás no percentual de pessoas que responderam, com 81%. O interior, por sua vez, já registrou 95%. “Dois fatores contribuíram para essa diferença entre a capital e o interior: o clima, já que enfrentamos dois dias de fortes chuvas e o feriado prolongado em setembro, por conta de muitas pessoas terem viajado em função de poderem emendar o dia 8 (dia da padroeira de Curitiba, Nossa Senhora da Luz dos Pinhais)”, justifica Santos. Na comparação com outros estados, os paranaenses seguem a média nacional de 87%. “Quando o Censo é planejado, a estrutura disponibilizada é proporcional às necessidade de cada Estado, por isso que o levantamento avança em percentuais bem semelhantes”, esclarece Santos. Para o Paraná, no início dos trabalhos, foram disponibilizados 10 mil recenseadores. Agora, faltando menos de um mês para a conclusão do estudo, aproximadamente 3,2 mil profissionais, devidamente identificados, percorrerão o Estado para captar as informações.