Uma passeata no centro de Curitiba reúne cerca de mil trabalhadores na manhã desta sexta-feira (14) para protestar em defesa dos direitos trabalhistas, principalmente em relação à redução da jornada de trabalho. A manifestação acontece em 10 estados brasileiros como parte da Jornada Nacional Unificada de Lutas.

A mobilização teve início às 10h30 na Praça Santos Andrade e seguiu para o prédio central dos Correios, na Rua João Negrão, onde funcionários também participam do protesto. Depois, o grupo segue até a Boca Maldita, com exceção dos trabalhadores dos Correios, que continuam em frente ao prédio da estatal para protestar por reivindicações específicas.

As ruas por onde vai passar a passeata serão bloqueadas por agentes da Diretoria de Trânsito (Diretran) da Urbanização de Curitiba S.A.(Urbs), deixando o trânsito lento na região central.

Funcionários da fábrica da Kraft Foods do Brasil, na Cidade Industrial de Curitiba (CIC), também participaram do movimento. Os trabalhadores trancaram, por cerca de uma hora, o km 600 da BR-376 (Contorno Sul), em frente ao prédio da empresa, para pedir a construção de uma passarela para travessia pela rodovia.

Segundo o presidente regional da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), José Agnaldo Pereira, a principal reivindicação dos trabalhadores que endossaram a manifestação é a redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais, sem redução dos salários.

Os trabalhadores também pedem o fim das demissões justificadas pela crise econômica, a redução nas taxas de juros, fim do superávit primário, reforma agrária e urbana, ampliação dos direitos sociais e trabalhistas e valorização do salário mínimo.

Participam da manifestação o CTB, Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), Central Única dos Trabalhadores (CUT), entidades estudantis e outros sindicatos. Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) que estão em Curitiba desde a terça-feira (11) se unem ao protesto.