Foto: João Carlos Frigério / GPP
fogo010205.jpg
O incêndio começou por volta das 16h. Chamas só foram controladas às 17h.

Um possível curto-circuíto em um dos geradores de energia do Shopping Estação, destruiu a casa de máquinas do complexo comercial, na tarde de ontem. Mais de 35 mil litros de água foram usados pelos 20 homens do Corpo de Bombeiros que conseguiram, com dificuldade, controlar as chamas. Este é o segundo incêndio ocorrido em menos de nove meses, desde quando o shopping foi reinaugurado, em abril do ano passado.

Por volta das 16h uma fumaça densa e escura começou a sair da casa de máquinas, situada na Avenida Floriano Peixoto, ao lado do complexo comercial. O local foi desocupado e antes mesmo da chegada do Corpo de Bombeiros, os agentes da brigada de incêndio do shopping tomaram as primeiras providências. Um dos brigadistas se intoxicou com a fumaça e teve que receber atendimento médico.

Quando os soldados do Corpo de Bombeiros chegaram no local a fumaça já havia se espalhado pelas ruas, o que levou ao isolamento da quadra entre a Avenida Silva Jardim e a Rua Sete de Setembro. Para controlar o fogo foram necessários cinco caminhões-pipa e um com uma plataforma móvel, ocupada por soldados que tiveram que usar tubos de oxigênio para não inalar a fumaça. As portas e janelas de metal tiveram que ser arrombadas para que a água pudesse apagar as chamas. O calor chegou a provocar uma rachadura na parede lateral do prédio. O fogo só foi controlado por volta das 17h, quando os bombeiros passaram a fazer o resfriamento do local. "A Copel cortou a energia por medida de segurança. Toda a estrutura ficou comprometida, o que acarreta um risco de desabamento de vigas. Além disso a destruição foi total", afirmou o comandante do Corpo de Bombeiros, Claudinei da Silva.

Apesar de ninguém ter ficado ferido, com exceção do brigadista intoxicado pela fumaça, moradores de um prédio próximo à casa de máquinas contaram que avistaram pessoas deixando o local pelas janelas e houve muita gritaria dos funcionários.

Geradores

De acordo com o superintende do Shopping Estação, Marco Aurélio Jardim, a casa de máquinas abrigava um dos oito geradores de energia, movidos a diesel, além de tanques de ar- condicionado, responsáveis pela climatização do complexo comercial. "Quando há uma queda de energia, os geradores passam a abastecer o shopping, por isso acredito que houve um curto-circuito em algum desses momentos", afirmou Jardim.

A causa do incêndio, que destruiu os 200 metros quadrados da casa de máquinas, só será identificada após a avaliação da perícia científica.

Incêndio há oito meses

No dia 10 de maio do ano passado, cerca de 1000 m2 do Shopping Estação foram destruídos por um incêndio, que afetou principalmente o depósito das Lojas Americanas e da Loja Marisa, localizadas no segundo piso. Apesar da proporção do acidente, nenhum funcionário ou cliente do shopping ficou ferido.

De acordo com o tenente Eduardo Gomes Pinheiro, do Corpo de Bombeiros, as chamas, que tiveram início no telhado do prédio, causaram o desabamento do teto da Lojas Americanas e queimaram todo o estoque e um pedaço da área de atendimento da loja. Duas horas depois do início do sinistro o piso também cedeu e parte do estoque da Loja Marisa foi atingido pelo fogo. "Em princípio, o fogo queimou os estoques das duas lojas, que ficam no segundo andar do Estação. Com o calor o piso desabou e as labaredas tomaram conta do térreo. "Acreditamos que nenhum outro estabelecimento foi atingido, porque a área para abrigar novas lojas ainda estava sendo construída", afirmou o tenente. Estima-se que cerca de 10 mil pessoas estavam no shopping quando o incêndio começou.

Apesar dos responsáveis pela administração do shopping e dos soldados do Corpo de Bombeiros desconhecerem a origem do incêndio, duas testemunhas afirmam que o estrago foi causado por um funcionário que fazia a manutenção do telhado com maçarico.