O Ministério da Integração Nacional apresentou nesta quinta-feira (15) as ações de prevenção, recuperação e preparação realizadas pelo governo federal para as chuvas do próximo verão.  A coletiva ocorreu no Clube do Exército, em Brasília, após cerimônia de entrega da Medalha Defesa Civil Nacional.

As ações tiveram como foco 56 municípios do Sul e Sudeste do país, eleitos como prioritários em função da recorrência de desastres naturais nos últimos anos, como enxurradas e deslizamentos, que ocasionaram elevado número de mortos, desalojados e desabrigados.

Três municípios são da região metropolitana de Curitiba: Almirante Tamandaré, São José dos Pinhais e Rio Branco do Sul. Antonina, no litoral, também aparece na lista.

Uma dessas ações foram os simulados de preparação para desastres realizados em municípios do Rio de Janeiro, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Bahia, Pernambuco, Alagoas, Minas Gerais e Espírito Santo.

Os exercícios, reproduzindo situações próximas as reais, envolveram moradores de áreas de risco e toda a estrutura de assistência e socorro dos municípios. O secretário Nacional de Defesa Civil, Humberto Viana, explicou que entre as ações realizadas estão também mapeamento de áreas de risco, preparação, respostas e aperfeiçoamento dos sistemas de monitoramento e de alerta.

Segundo ele, o governo federal está fazendo o seu trabalho, mas para que as ações tenham mais eficácia os municípios e Estados precisam estar mais integrados.

Afirmou ainda que todo o sistema de defesa civil está hoje melhor preparado para enfrentar o próximo verão no Sul e Sudeste, se antecipando aos eventos e evitando perdas de vidas, como ocorreu em janeiro deste ano na região serrana do Rio de Janeiro e também em Santa Catarina.

Cultura de prevenção

Durante entrevista coletiva, o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho e representantes dos Ministérios das Cidades, Minas e Energia e Ciência, Tecnologia e Inovação, falaram do esforço do governo federal em inverter a lógica até então dominante nos desastres, de dar ênfase nas respostas em detrimento da prevenção.

Segundo o ministro os investimentos em obras de prevenção, por meio dos ministérios da Integração e das Cidades, este ano, somam R$ 450 milhões, e por meio do Ministério dos Transportes, mais R$ 700 milhões.

“Isso mostra a disposição do governo e traduz o compromisso da presidenta Dilma Rousseff em abrir espaço para as obras de prevenção. Mas essa mudança de cultura não se faz do dia para a noite e não depende só do governo federal. É preciso envolvimento dos governos estaduais, dos municípios e também do Congresso Nacional, para aperfeiçoar as leis sobre defesa civil. Só assim avançaremos mais nas ações de prevenção”, declarou o ministro.

Fernando Bezerra Coelho também afirmou que quase nunca se traduzia o pensamento em ação. “Agora nós estamos fazendo isso. Mapeando as áreas de risco nas 251 cidades brasileiras mais expostas a desastres, um trabalho de fôlego que está sendo realizado por geólogos da CPRM. O propósito é melhorar a capacidade de predição e preparação para os desastres” disse o ministro.