O governo do Paraná decidiu manter suspensas por tempo indeterminado as cirurgias eletivas em hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS) e das redes particulares. Os motivos são o crescimento dos casos de covid-19 e da ocupação de leitos de UTI e enfermaria, por pacientes com sintomas da doença. A decisão foi publicada na segunda-feira (4), pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), por meio da Resolução nº 013/2021.

LEIA TAMBÉM – Aulas na rede municipal de Curitiba voltam depois do feriado de Carnaval

“A pandemia segue impondo medidas restritivas, entre elas a de mantermos leitos, equipamentos, insumos e equipes profissionais priorizados para o atendimento de pacientes infectados pelo coronavírus. A suspensão é válida para todo o Estado”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

De acordo com a Sesa, a nova resolução revoga a anterior, que já suspendia a realização das cirurgias eletivas entre 1º e 31 de dezembro de 2020. A regra, no entanto, não se aplica aos procedimentos de cardiologia, oncologia e nefrologia e aos exames e procedimentos realizados em âmbito laboratorial que, a critério médico, sejam considerados de urgência ou emergência.

Contingenciamento de insumos e leitos

Desde agosto de 2020, a secretaria estadual vem recomendando e restringindo, por meio de resoluções, a suspensão das cirurgias eletivas como forma de contingenciamento de insumos e também de leitos de UTI.

LEIA AINDA – Preocupação com aglomerações faz Prefeito Greca cancelar o Carnaval de Curitiba

Primeiramente, houve restrição nos procedimentos com demanda de terapia intensiva no pós-operatório. Em um segundo momento, foi liberado o procedimento em hospitais privados que não constavam do plano de atendimento à covid-19. Depois, com o agravamento da pandemia, o estado suspendeu as cirurgias eletivas em toda a rede pública e privada. Agora, com o quadro mais agudo, a secretaria decidiu pela manutenção desta suspensão por tempo indeterminado.

“São medidas de gestão, tomadas de acordo com o cenário estadual e que visam, principalmente, prestar atendimento eficiente e de qualidade a todos os paranaenses, evitando assim um colapso na estrutura hospitalar”, explicou o chefe de gabinete da pasta, César Neves.

Na segunda-feira (4), o Paraná divulgou boletim epidemiológico com mais 1.717 casos confirmados e 32 novas mortes por novo coronavírus.Com esses números, o estado chegou a 419.839 pessoas infectadas e 7.997 óbitos, ao longo da pandemia.