Foto: Lucimar do Carmo/O Estado

Kussek: portadores de asma ou bronquite podem ter acentuadas as tosses.

O clima seco e as variações de temperaturas dos últimos dias têm causado diversos problemas de saúde que não eram comuns nesta época do ano, como rinites, crises alérgicas e de asma. Quem já tem histórico dessas doenças precisa redobrar os cuidados.

Segundo o otorrinolaringolagista dos hospitais de Clínicas e Iguaçu, Maurício Buschle, no inverno, com as temperaturas mais baixas, são muito comuns as infecções das vias aéreas superiores, causadas por gripes, resfriados e suas complicações – como otites, amidalites e sinusites. Porém, nesse ano, devido às condições climáticas, estão sendo mais freqüentes as rinites alérgicas. ?O clima que chamamos de desértico, muito seco e com altas temperaturas durante o dia e baixa temperatura na noite e início da manhã, está tendo muito influência nesses diagnóticos?. O médico esclarece que, com a falta de chuvas, as partículas de poluição permanecem no ar, o que favorece as crises.

O mesmo está ocorrendo em pacientes que têm asma ou bronquite. O pneumopediatra do Hospital Pequeno Príncipe, Paulo Kussek, comenta que o ressecamento das mucosas do nariz também pode afetar o sistema imunológico, deixando a pessoa mais vulnerável a infecções. Os que já são portadores de asma ou bronquite podem ter acentuadas as tosses, chiado no peito e falta de ar. ?Isso piora muito quando se pratica algum esforço físico?.

Buschle explica que, como a rinite não tem cura, o jeito é realizar um tratamento com antialérgicos (via oral ou nasal). Ele aconselha evitar o uso de vasoconstritores. Para evitar as crises, é preciso cuidar dos ambientes e manter limpos cortinas, carpetes e cobertores. Kussek orienta que quem tem asma ou bronquite deve evitar o esforço físico. E como maneira preventiva, hidratar o ar, colocando toalhas molhadas ou vasilhas com água nos ambientes, e ingerir muito líquido.