A coleta de lixo em Curitiba pode ser interrompida na próxima segunda-feira. Segundo o presidente do Sindicato dos Empregados em Empresas de Asseio e Conservação de Curitiba (Siemaco), Manasses Oliveira da Silva, a única alternativa para que a greve não aconteça é um acordo com a empresa Cavo, que presta os serviços de limpeza na capital. Amanhã uma assembléia reunindo os cerca de 2 mil funcionários decidirá a posição final dos trabalhadores. “Até o momento o indicativo de greve está vencendo”, disse.

A Cavo apresentou uma proposta de reajuste 7,47% nos salários e mais 5% no vale-alimentação. “Não aceitamos por estar abaixo do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC)”, revelou Silva. Os trabalhadores querem receber os 7,47% relativos ao INPC do período nos salários, mais 10% de reajuste real e 20% no vale-alimentação.

Os salários mensais variam de R$ 301,40 até R$ 379,821 que são acrescidos de R$ 48 ou R$ 96 por insalubridade, dependendo da função. Além disso, eles recebem R$ 200 – R$130 de vale-refeição e R$ 70 de vale-alimentação. “A Cavo alega que não está nos dando o aumento por estar com um contrato apenas emergencial com a Prefeitura. Nós estamos pagando uma conta que não é nossa”, reclamou. Silva lembrou que outra reivindicação é o recebimento do trabalho na terça-feira de Carnaval. “Nós queremos receber como feriado ou uma cesta básica como compensação. Nos outros estados se paga feriado, menos aqui”, disse.

Nova proposta

A Cavo informou em nota oficial que encaminhou nova proposta de reajuste salarial ao Siemaco. Respeitando a data base de 1.º de maio, a Cavo propôs reajuste salarial de 7,47%, aumento de 7,47% sobre os valores recebidos de vale alimentação e também de 7,47% nos de vale-refeição. Além de bonificação de 50% sobre valor do vale alimentação, que será pago no mês de maio deste ano. Nos anos subseqüentes essa bonificação será paga em fevereiro, como já vem sendo feita. Agora a empresa aguarda a decisão da assembléia de amanhã.