A Secretaria da Saúde e a Defesa Civil, em parceria com as prefeituras, realizam nesta sexta-feira e sábado (12 e 13) os dias D de combate à dengue em 85 municípios do Paraná.

Os municípios envolvidos no combate aos criadouros do mosquito neste final de semana apresentam Índice de Infestação Predial entre 1% e 4%. Isso significa que a cada 100 imóveis vistoriadas, entre um e quatro apresentam larvas do Aedes aegypti. A exemplo do que 66 municípios com índice acima de 4% fizeram no último sábado (6), essas 85 cidades farão mutirões de limpeza para acabar com os criadouros do mosquito.

Mas a atividade de retirada de materiais que sirvam como criadouros para o mosquito deve ser constante, lembra o secretário Gilberto Martin. “A eliminação dos criadouros nas casas deve ser feita constantemente, de preferência a cada quatro dias. Já foi constatado que a maior parte dos criadouros estão dentro de casa”, completou Martin.

A atividade, de acordo o Chefe da Divisão de Defesa Civil, major Osni Bortolini, é preventiva. “O objetivo é evitar a ocorrência de uma nova epidemia de dengue no Estado, como já aconteceu em anos anteriores”, esclareceu.

A 9.ª Regional de Saúde, com sede em Foz do Iguaçu, realizou no último sábado mutirões em alguns municípios e manteve as atividades ao longo desta semana. A diretora da Regional, Anice Nagib, lembrou que neste sábado outros cinco bairros da cidade de Foz do Iguaçu – AKLP, Belvedere, Jardim Paraná, Jardim Estrela e Jardim Petrópolis – farão mutirões.

“Vamos visitar mais de duas mil residências. Nossos 10 funcionários terão apoio de 15 homens da Defesa Civil, de 80 servidores da prefeitura e de cinco soldados da Força Verde da Polícia Militar”, explicou.

As atividades continuam ao longo da próxima semana. Na região de Umuarama, uma ação conjunta com prefeitura, Sesc, Senac, Associação Comercial e Industrial, sindicatos e Defesa Civil deve ganhar as ruas. “Queremos alcançar grande parte da população. Todos os órgãos envolvidos estão empenhados para eliminar o maior número possível de criadouros do mosquito da cidade”, disse o diretor da 12.ª Regional de Saúde, Armando Cerci.

Números – O último levantamento da secretaria de Saúde aponta 1.539 casos da doença no Estado, dos quais 1.357 autóctones – ou seja, com infecção ocorreu dentro do Estado. Há 7.213 notificações de casos suspeitos.