Foto: Fábio Alexandre

Carlos Augusto Moreira Júnior.

Este ano a Universidade Federal do Paraná (UFPR) completa 95 anos de atividade. Embora o aniversário seja só em dezembro, as festividades começam hoje, às 19h, com a apresentação do coral da instituição nas janelas do prédio histórico, na Praça Santos Andrade, e incluem ainda o lançamento de uma grife da universidade com camisetas e bonés. Segundo o reitor Carlos Augusto Moreira Júnior, as atividades são uma preparação para a comemoração do centenário.

A UFPR abriu as portas em 19 de dezembro de 1912 com apenas seis cursos e um número reduzido de alunos. ?Foi a emancipação intelectual paranaense, foi sendo criada a identidade cultural e tecnológica do Estado?, destaca o reitor. Atualmente a UFPR possui 69 habilitações, sendo 30 mil alunos presenciais e outros 20 mil a distância. A cada vestibular, entre 45 e 50 mil estudantes disputam as vagas. Panorama bem diferente do encontrado em 1912. O primeiro aluno foi Oscar José de Plácido e Silva. Ele foi até a sede da instituição, que ficava rua Comendador Araújo, e disse que queria se matricular. Foi recebido pelo secretário Nilo Cairo, que gritou para o responsável pela instituição, Victor Ferreira do Amaral, que o primeiro aluno havia chegado. Foi admitido depois de passar por uma entrevista. Causou tão boa impressão que também acabou sendo o primeiro funcionário da UFPR.

Os primeiros anos foram difíceis. Em 1917, o governo federal quis desconstruir a universidade alegando que na cidade não havia mais de 100 mil habitantes. A saída encontrada pelos administradores foi desmembrar a UFPR em várias faculdades. Só o nome mudou.

Em 1950, foi federalizada e recebeu uma série de investimentos. Foram criados novos cursos, novos campus e hospitais. Hoje a instituição conserva vários prêmios nacionais na área de pesquisa, além de ser o maior centro transportador de medula óssea da América Latina. Entre os últimos avanços, o reitor destaca o sistema de cotas e de reocupação de vagas. Como desafios, Moreira cita a ampliação do intercâmbio com outros países e da acessibilidade para deficientes físicos. Até dezembro, outras atividades serão realizadas para comemorar o aniversário da instituição.