Curitiba já conseguiu um comprometimento de financiamento por parte do Fonplata (Fundo Financeiro de Desenvolvimento para a Bacia do Prata) para implantar os ônibus biarticulados no trecho urbano da BR-116, substituindo o projeto do metrô, que foi abortado por falta de dinheiro. Mas o projeto ainda precisa ser avaliado por uma comissão da Secretaria de Assuntos Internacionais, do Ministério do Planejamento, já que o governo é o avalista. Só depois é que podem começar as negociações. A previsão é que até o dia 15 de setembro a comissão se reúna para tratar do assunto. A intenção é conseguir o financiamento para pagar em 15 anos a juros de 3% anuais.

Semana passada o prefeito Cássio Taniguchi esteve em Brasília para protocolar o pedido de avaliação do projeto e pressionar o governo federal a assumir o financiamento, como ocorreria no caso do metrô. Além disso, de acordo com o supervisor do Ippuc, Edson Seidel, como o valor da implantação dos biarticulados é mais baixo, a idéia é que a União possa oferecer ainda mais recursos para a realização de outras melhorias no sistema de transporte da cidade.

Dos US$ 380 milhões que seriam gastos no metrô, os custos baixaram para US$ 36 milhões. Os biarticulados vão ligar a Cidade Industrial de Curitiba até o Terminal Maracanã, em Colombo. A prefeitura se responsabilizará por 23,2 quilômetros do trajeto, desde a Cidade Industrial até o bairro do Atuba. US$ 30 milhões serão financiados e os US$ 6 milhões restantes sairão dos cofres municipais. O 1,8 km restante ficará a cargo do governo estadual, que já conseguiu empréstimo junto ao BNDES.

A previsão é de que no segundo semestre de 2004 o sistema entre em operação.