Foto: Ney de Souza/AMN

Mesquita em Foz do Iguaçu ficou lotada na tarde de ontem.

O último dia do Ramadã, o mês sagrado islâmico, foi comemorado ontem pela comunidade muçulmana de Foz do Iguaçu, no oeste do estado, com um momento especial de oração durante o café da manhã na mesquita islâmica. Os cerca de doze mil muçulmanos que vivem na cidade, uma das maiores concentrações do país, aproveitaram o período para orar pelos recentes conflitos no Líbano. Em Curitiba, a comemoração será feita somente hoje, dia seguinte ao término do mês sagrado, e quando a maior parte dos religiosos festeja a data em todo o mundo (com exceção da Arábia Saudita). A diferença é por conta do calendário lunar, pois naquele país o aparecimento da Lua Nova, marco do término do Ramadã, acontece antes.

As comemorações em Foz do Iguaçu começaram na noite de domingo, quando a quebra do jejum – que durante todo este mês é mantido desde o amanhecer até o pôr-do-sol – foi feita entre cerca de 1.500 pessoas reunidas na mesquita, com direito a fogos de artifício. Na manhã de ontem, um café da manhã reuniu cerca de 2.500 muçulmanos no local para a comemoração oficial. Na cidade, a comunidade muçulmana seguiu a previsão meteorológica, que já previa a lua nova para o primeiro dia da semana. O presidente do Centro Cultural Beneficente Islâmico de Foz, Ali Mussa, afirma que o mês de orações e jejum foi destinado principalmente a lembrar as famílias afetadas pelos recentes conflitos entre Israel e Líbano. ?Muitos conhecidos nossos foram atingidos, vivemos uma tristeza com a destruição de nosso país de origem. Por isso teve muita oração para que Deus proteja todas as pessoas inocentes afetadas por esse conflito.?

O apelo por paz, amor e harmonia foi seguido pelos muçulmanos de Curitiba. O presidente da Sociedade Beneficente Muçulmana do Paraná, Jamil Ibrahim Iskandar, conta que a situação vivida no Iraque foi especialmente lembrada. ?Suplicamos para que Deus ilumine os governantes, que haja mais compreensão, tolerância e que a paz prevaleça. Lembramos muito do Iraque porque o que está acontecendo lá é um lástima?, disse. Na capital, o término do mês sagrado será comemorado durante todo o dia de hoje com orações, troca de presentes e visitas entre membros da comunidade muçulmana.