No último domingo, 62 mil professores de todo o Estado participaram de um concurso público para preencher 16.397 vagas na rede estadual, substituindo docentes celetistas contratados no início do ano. O resultado da primeira fase vai ser divulgado no dia 5 de junho. Os professores assumem as aulas em agosto, com salário inicial de R$ 385,00, mais gratificação de R$ 50,00.

Os candidatos aprovados na primeira fase serão submetidos a uma prova de títulos, onde vai contar a experiência na área, cursos e especializações. Os documentos serão apresentados nos dias 10 e 11 de junho, nos 32 núcleos regionais de educação. Em julho realizarão exame médico e em agosto entram em sala de aula.

Os aprovados vão passar por estágio probatório de 3 anos. Mas o governo do Estado pretende apresentar projeto de lei na Assembléia Legislativa com o objetivo de eliminar a fase do estágio obrigatório para quem já trabalhava como celetista. Os professores seriam beneficiados de acordo com o tempo de atuação na rede estadual.

Segundo o diretor-geral da Secretaria Estadual de Educação, Ricardo Bezerra, a partir de agora todos os professores serão concursados e os celetistas só vão substituir em casos de licenças. O concurso terá validade de dois anos, mas o Estado pode prolongar por mais dois. A medida que forem abrindo novas vagas os demais vão sendo chamados.

Os maiores problemas com falta de docentes são verificados na Região Metropolitana de Curitiba, de Maringá e de Foz do Iguaçu. As disciplinas mais carentes são de biologia, física e química. Enquanto que em língua portuguesa houve 13.738 inscrições para o concurso, em física houve 1.543 e em química, 1.543.