Criado em dezembro do ano passado, o Conselho Municipal da Juventude ainda não foi instalado em definitivo em Curitiba.

De autoria de quatro vereadores, o projeto de criação da entidade já foi sancionado, e desde maio deste ano, possui apenas uma comissão provisória. De acordo com o projeto, o conselho será uma entidade civil que irá englobar forças para garantir a proteção de direitos dos jovens, como acesso à educação, qualificação profissional e informação.

O vereador André Passos (PT) – um dos autores do projeto – questiona a demora na formação do conselho. Segundo ele, a comissão provisória seria formada por jovens que apoiaram a eleição do prefeito Beto Richa (PSDB). "Acho que essa participação é importante, mas acho que o conselho não tem o papel de formar políticos mirins, mas sim, envolver jovens de igrejas, entidades culturais, movimentos sociais, estudantes, e tantos outros segmentos", falou.

O vereador também entende que a demora na efetivação do conselho na capital faz com que a cidade fique de fora de várias iniciativas que deverão ser implementadas nas cidades.

Passos comentou que no início deste mês foi eleita a presidente do Conselho Nacional da Juventude – será a secretária nacional de Políticas Públicas para Juventude, Regina Novaes -, o que indica que o governo federal está sensível a necessidade de formular diretrizes voltadas para essa clientela. "As cidades que tiverem adiantadas nesse processo poderão integrar programas, inclusive com o repasse de verbas, para ações nas suas regiões", falou.

A Prefeitura de Curitiba informou, através de sua assessoria de imprensa, que o até o final do mês deverá ser apresentada ao prefeito uma lista com os nomes dos integrantes do Conselho da Juventude. A partir da aprovação dos nomes, os membros começarão a atuar. Os nomes desses indicados não foram informados.