O número de consultas de enfermagem nas unidades básicas de saúde aumentou mais de 106% em 2013, se comparado ao ano anterior.  Foram 533.497 atendimentos contra 258.227 em 2012.

“Esse aumento no número de atendimentos reflete as mudanças que realizamos nas unidades básicas através do resgate do papel do enfermeiro e da facilitação do acesso dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) aos equipamentos de saúde”, frisou Adriano Massuda, secretário municipal da Saúde.

“O principal papel do enfermeiro na Atenção Primária é o cuidado com a pessoa e é isso que se quer resgatar e valorizar”, afirmou Paulo Poli, diretor de Atenção Primária da secretaria.

O engenheiro aposentado Francisco Alves Pinto, que é atendido na Unidade Básica Ouvidor Pardinho desde 2002, sentiu diferença na agilidade dos procedimentos. “Venho todos os anos fazer exames de rotina e antes tinha que vir na unidade para marcar consulta com o médico e voltar no mês seguinte. Hoje cheguei, esperei 20 minutos e já fui atendido, tive meus exames solicitados e estou saindo daqui totalmente satisfeito. Sei que se tiver algum exame alterado, a enfermeira irá marcar uma consulta com o médico”, contou.

Para a enfermeira Monica Marcondes, que trabalha na rede municipal de saúde desde 2004, a mudança valorizou o papel do profissional de enfermagem. “Quando a gente escolhe fazer enfermagem é para cuidar das pessoas, não só das que estão doentes mas preventivamente também. Hoje conheço os meus pacientes e quando ele chega aqui não faço apenas uma triagem, eu atendo esse paciente, medindo a pressão, coletando um exame preventivo, solicitando e analisando exames e claro, quando necessário, marcando consulta com o médico para o mesmo dia quando necessário”.

“Estou há 20 anos na rede municipal e até 2012 estava trabalhando como coordenadora de unidade de saúde. Ano passado voltei o meu trabalho para o atendimento à população e estou realizada porque consigo fazer o meu papel”, afirmou a enfermeira Vera Nakashima, da unidade Santa Quitéria.

Outras medidas importantes nesse sentido foram a reorganização dos espaços em diversas unidades básicas de saúde para que cada enfermeiro tenha o seu próprio consultório para o atendimento e, mais recentemente, a publicação de uma normativa da Secretaria de Saúde que regulamenta uma série de atividades desse profissional.