O pedido de ajuda de Moisés de Lima Soares, 30 anos, que não tinha dinheiro para pagar o aluguel atrasado e corria risco de ser despejado com esposa e dois filhos favoreceu, não só ele, mas outras pessoas da vila onde morava, em Araucária, Região Metropolitana de Curitiba.

Moisés, que vivia na Rua Ronaldo Alfeu Bacelar, se mudou no último sábado para a Rua Begônia, mas saiu da casa em que estava sem dever nada para a proprietária.

Desesperado, ele procurou a reportagem na sexta-feira (19), pois o prazo para pagar o aluguel ou sair da casa vencia no sábado (20) e já não sabia o que fazer. Com o pedido de ajuda, Moisés conseguiu quitar o valor que devia e, a partir da matéria postada na internet, alugou outra casa e está prestes a arrumar um emprego.

“Foram muitas pessoas que apareceram para nos ajudar. Muita gente mesmo. Teve gente que trouxe comida, teve quem ofereceu dinheiro para ajudar no que devíamos e no fim deu tudo certo”, disse, emocionado, o homem.

No sábado mesmo, depois de pagar o valor atrasado e sair da casa, Moisés foi encontrado por duas mulheres na casa do sogro. “Elas nos pagaram, foram com a gente procurar uma nova casa, depois pagaram o frete e o aluguel de um mês, em outro local, e estão nos ajudando no emprego. Se Deus quiser, vai dar tudo certo”.

Moisés teve o último emprego como segurança e depois fez bicos em uma pizzaria. Ele chegou a andar mais de 10 quilômetros até o centro da cidade, para tentar conseguir emprego. A geladeira e o armário, que antes estavam vazios, agora estão abarrotados com o alimento que recebeu.

Corrente do bem

Moisés com a família: agora eles esperam dias melhores.

Além de ajudar Moisés, a solidariedade das pessoas beneficiou outras famílias necessitadas na mesma vila. Inicialmente, houve um desconforto entre a dona da casa e ele, que foi resolvido quando Moisés quitou o que devia e aceitou que outras famílias recebessem doações.

“Quando nós percebemos que a ajuda para ele já estava suficiente, nós conversamos e explicamos que ele já não precisava tanto, mas que outras famílias estavam precisando também. As pessoas que vinham ajudá-lo acabaram se solidarizando e nós ajudamos a todos”, explicou dona Maria, a proprietária da casa onde o homem morava, que não quis ter o sobrenome divulgado.

Nova casa

A nova casa, além de um pouco maior, é na mesma rua do CMEI Tupy, onde a filha de Moisés, que tem três anos, estuda. Moisés ganhou um celular (8851-3583), o valor do aluguel diminuiu e agora ele acredita que vai poder seguir em frente para ajeitar a vida da família. O outro filho do casal, de dois anos, aguarda uma vaga na creche. Sobre o emprego, Moisés contou que deve fazer entrevistas. “A minha esposa vai trabalhar como doméstica e eu ainda não sei o que farei, mas as duas mulheres prometeram nos ajudar e acredito que vamos conseguir”.

Uma mão lava a outra

Izabel Zamilian: “agora foi a minha vez de ajudar”./Foto: Lucas Sarzi

Entre as doações que a família de Araucária recebeu, estava uma cesta básica dada por Izabel Zamilian, mãe do pequeno Felipe, que tem má formação cerebral. O garoto foi ajudado no ano passado e a mãe encontrou em Moisés a forma de retribuir ao que foi feito por ela.

Izabel, que veio do interior do Paraná para tratar do filho em Curitiba, conseguiu uma cesta básica na igreja que frequenta e doou para o homem. “É assim que funciona. A gente recebe ajuda num momento e em outro, quando pode, ajuda alguém”.