O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) divulgou ontem resultado parcial da análise sobre quantidade de algas no reservatório do Rio Iraí, responsável por 70% do abastecimento na Região Metropolitana de Curitiba. O resultado da última coleta, realizada na última segunda-feira, indica que a floração de algas aumentou. O teste de clorofila (quantidade de massa biológica na água) indicou 101 microgramas/litro, ou seja, mais que o dobro do índice apresentado na análise anterior. O ideal é que o índice de clorofila não ultrapasse a 20 microgramas/litro.

Apesar disso, o IAP explica que a espécie que está se reproduzindo, a Microcystis aeroginosa, não provoca gosto ou odor na água, ou seja, não é a mesma que ocasionou problemas para o abastecimento da população curitibana em 2001.

Além disso, os índices elevados concentram-se no reservatório do Iraí. A coleta para abastecimento é realizada na Estação de Tratamento de Água do Iraí, a cerca de 7 km do reservatório, onde os valores estão em limites considerados aceitáveis.

O reservatório do Iraí é um local propício à reprodução das algas por ser um local raso, que recebe grande quantidade de nutrientes (especialmente esgoto doméstico), aliado à condição climática favorável (dias mais quentes).

Hoje, o IAP deve concluir a análise sobre o número de células encontradas na água.