Uma mostra com 100 obras criadas por crianças atendidas pelo Hospital Pequeno Príncipe (HPP) é o fruto de um projeto que conquistou, pelo segundo ano consecutivo, a melhoria nas condições de tratamento de pelo menos mil crianças que são atendidas no hospital.

Trata-se do Criando Asas II – Fazendo Arte no Hospital Pequeno Príncipe, que propiciou aos jovens e crianças a possibilidade de aprender técnicas artísticas em três diferentes oficinas.

Para Luciane Valdez, médica envolvida com o projeto, as atividades ligadas à arte tiram o foco da doença. “Isso é muito importante para crianças que tratam de doenças crônicas no HPP. Ao contrário de um tratamento convencional, nesses casos elas precisam retornar várias vezes ao hospital para dar continuidade. A produção artística é como um estímulo”, diz.

O contato com a arte proporciona ainda um momento de prazer para as crianças. “Elas brincam, criam e descobrem muitas coisas através da arte. Lidar com o novo proporciona esse ambiente”, ressalta a médica.

Na prática, é isso que João Batista Baida, de 16 anos, um dos participantes do projeto, sente ao criar suas gravuras. “Não tem coisa pior do que ficar no quarto o dia inteiro vendo televisão. Além do que os desenhos sempre são repetidos. Com o projeto, pude colocar em prática o gosto que tenho pelas aves, criando um trabalho em gravura. Nele represento uma ave em uma árvore”, conta o menino que é atendido no HPP desde que nasceu.

“O bom resultado não é verificado apenas com as crianças, a equipe que trabalha cuidando dos jovens também sente melhorias. É muito bom ver o brilho no olhar deles durante as atividades”, ressalta Valdez.

Dentro do projeto, as crianças têm a possibilidade de participar de três oficinas. São elas: Fotografia, Gravura e Olhares, esta última consiste na análise de obras de arte e a reprodução em diferentes formas de manifestação artísticas.

Na oficina Olhares, por exemplo, os jovens visitaram museus de Curitiba. “Foi incrível. Muitas delas nunca tinham visto obras expostas em museus. Nesse trabalho fizemos a visita, depois houve um diálogo e posteriormente a reprodução da obra escolhida por eles”, conta Maria Gloss, coordenadora do setor de Educação e Cultura do HPP. A aplicação do projeto no HPP foi possível por meio da Lei Rouanet.

Na oficina de Gravura, os participantes construíram imagens utilizando marcas e impressões feitas com materiais específicos. “É uma oficina recheada de simbolismos. Tudo que eles fazem deixa marca”, ressalta Gloss.

Já na oficina de Fotografia, as crianças aprenderam com os professores muito mais que as técnicas fotográficas. “Demonstramos a eles a possibilidade de registro que a fotografia proporciona. Com fotos antigas conseguimos vivenciar outras épocas. Isso agrega muito valor a eles”, conta. Para ela, a arte envolvida com o tratamento realizado no HPP foca a energia da criança naquilo que está saudável.

“É um processo bastante significativo. Foca aquilo que está pulsando dentro deles, além de motivar igualmente aqueles que acompanham o tratamento”, opina a coordenadora.

Serviço

A exposição do projeto Criando Asas II – Fazendo Arte no Hospital Pequeno  Príncipe acontece até o dia 22 de novembro, no Centro Juvenil de Artes Plásticas (Rua Mateus Leme, 56, São Francisco, em Curitiba). Entrada franca. Maiores informações pelo telefone (41)3323-5643.