Antes de adquirir um cão deve-se tomar alguns cuidados, como a preparação de um local adequado para ele e conhecer como ele deve ser tratato, principalmente se for de grande porte e feroz . O animal tem um instinto que o faz reagir motivado pelo movimento, por isso, acidentes como o que aconteceu na tarde de quinta-feira, quando uma menina de dois anos e três meses foi atacada por um rottweiler em sua casa em São José dos Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba (RMC), podem se repetir se o animal não tiver um espaço específico e um tratamento adequado.

O responsável pela formação de treinadores de cães da Polícia Militar (PM) do Paraná, sargento Romualdo de Amorin, explicou que a melhor orientação quando uma pessoa fica próxima a um cão, independente da raça, é permanecer parado. “Se a pessoa não se mexe não se torna num alvo para o animal”, explicou. Amorin destacou que o cachorro deve ter um local específico para ele, assim como horários para comer e tomar sol, por exemplo. “Nunca se deve deixar uma criança sozinha com um cachorro. Ele pode não querer machucar, mas no instinto de brincar pode acabar arrastando-a”, exemplificou o adestrador.

No caso dos cães adestrados, Amorin disse que o importante é que o canil e a pessoa que adestrou o animal sejam de confiança. “Outro fator importante é fazer com que o dono participe das aulas e tenha o domínio sobre o cão. O cachorro deve ser adestrado para o dono, não para outra pessoa”, explicou.

Internada

A menor C.V. S continua internada em observação na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba. Ela não corre mais risco de morte, já fez exames onde não foi descartada a possibilidade lesão neurológica. A assessoria de imprensa do hospital informou que a menina teve cortes na face e no couro cabeludo. C.V.S. está recebendo periodicamente doses da vacina anti-rábica.