No horário de pico, tentar passar pelo cruzamento das Ruas Eduardo Sprada e Izaltino Dias Ferraz, na CIC, é um verdadeiro exercício de paciência. Segundo moradores da região, no início da manhã e no final de tarde o trânsito fica um verdadeiro caos e os pedestres que querem fazer a travessia acabam correndo perigo em meio aos carros.

A garçonete Daguimar Santos trabalha num pequeno restaurante da região há dois anos. Ela conta que por volta das 18h, quando precisa ir até o terminal do Campo Comprido para tomar um ônibus pra voltar pra casa, o tempo médio para atravessar o cruzamento é de 10 minutos. “Tem muito trânsito na própria Eduardo Sprada, nos dois sentidos, e na Izaltino Dias Ferraz. No há um semáforo ou faixa de segurança e temos que tentar a sorte ao atravessar. Já cheguei a ficar mais de 10 minutos pra atravessar”, diz Daguimar.

Gerson Klaina
Daguimar: “temos que tentar a sorte pra atravessar”.

Patrícia Lazaroti, que é dona de uma mercearia na Rua Izaltino Dias Ferraz, afirma que os acidentes são constantes no cruzamento. Segundo a empresária, há pouco mais de 10 dias, uma idosa foi atropelada no local. “A maioria das colisões acontece com o pessoal que está na Eduardo Sprada e quer entrar na Izaltino. Como o movimento é grande dos dois lados, quase não há brecha e o motorista é obrigado a se arriscar. Assim acontecem as batidas e até atropelamentos, como aconteceu com uma senhora que foi atingida por uma moto”, relata.

O aposentado Jairo Roberto de Souza mora na região do CIC há mais de 20 anos e diz que o trânsito mudou muito nas últimas décadas. “Hoje tem muito carro e as ruas não estão prontas pra esse movimento. No há sinalização. Aqui na Izaltino passa ônibus e carros o dia inteiro e gera muito congestionamento. Tem que sinalizar melhor”, afirma.

Gerson Klaina
Patrícia: há dez dias, houve umatropelamento no local.

Estudo de fluxo

Por meio da assessoria de imprensa, a Secretaria Municipal de Trânsito (Setran) informou que a regional da Cidade Industrial vai realizar um serviço de contagem de fluxo de pedestres e veículos para definir quais mudanças na sinalização de trânsito do local serão necessárias.