No início deste ano, quatro novas feiras deverão ser implantadas pela Secretaria Municipal de Abastecimento. Elas seguirão o conceito de preço único do Sacolão da Família, com preços regulados e a disposição e o funcionamento das feiras-livres.

“Vamos praticar o preço regulado, com aquisição de hortifrutigranjeiros diretamente de organizações familiares de agricultores estabelecidos na Região Metropolitana de Curitiba, para atender com qualidade a população mais vulnerável”, afirma o secretário de Abastecimento, Aldo Fernando Klein Nunes.

As novas feiras serão instaladas nos bairros Boqueirão, Bairro Novo, Cidade Industrial de Curitiba (CIC) e Tatuquara. A proposta é tornar essas feiras um projeto piloto para que o mesmo modelo seja seguido em outras regiões da cidade.

Atualmente, há 78 feiras em funcionamento – 40 pontos de feiras-livres, 9 feiras noturnas, 3 feiras gastronômicas, 12 feiras orgânicas, 1 feira do Litoral e 13 feiras Direto da Roça. A secretaria possui cadastrados aproximadamente 280 feirantes, 100 produtores e três associações de produtores rurais.

Economia

A economia feita pelos consumidores que utilizam os Sacolões da Família somou aproximadamente R$ 40 milhões ao longo de 2013. O valor é calculado com base na diferença dos preços de frutas, verduras e legumes praticados nos sacolões, em relação aos do comércio convencional.

A economia foi possível graças à manutenção, pela Secretaria Municipal de Abastecimento, do preço único de R$ 1,59 por quilo – valor que, em média, é 50% menor que os praticados no mercado.

Os Sacolões da Família devem fechar o ano com volume de comercialização de 25 mil toneladas de produtos, nas 15 lojas do programa – o que representa aumento de 25% em relação a 2012, quando foram comercializadas pouco mais de 20 mil toneladas.  Sem a necessidade de cadastro para compra, a política do preço único promove não só economia para a população.

“Nossa proposta é manter produtos de qualidade com preços acessíveis, promovendo a melhoria do hábito alimentar. A política do preço único também faz o papel de reguladora de preços no mercado de frutas e verduras”, afirma o diretor de Feiras e Mercados da secretaria, Nivaldo Vasconcellos.

Preços variados

A cesta mínima de produtos com preços controlados pela secretaria é composta por aproximadamente 30 itens, que variam de acordo com a estação do ano. Os sacolões também oferecem produtos com preços variáveis, mas há critérios a serem seguidos.

Para as folhosas devem ser oferecidos três tipos com o preço fixado e o restante pode ter preços variados. Para as frutas, apenas dois tipos podem ter preços diferentes do fixado. Também há exceção para o alho, que não entra no grupo dos produtos com preço fixo.

“Historicamente, o alho é sempre mais caro e não é possível comercializar no preço mínimo. Os preços variados para alguns tipos de folhosas e frutas, fora da relação de produtos da cesta, é uma alternativa oferecida ao consumidor para que possa comprar outros produtos que tenham preços comerciais mais elevados, como o morango, por exemplo”, explica o diretor.