A falta de segurança das escolas particulares e públicas de Curitiba ganhou destaque negativo em um dos quesitos avaliados pelo IBGE. Segundo o órgão, em 2009, Curitiba foi a segunda cidade com a maior porcentagem de casos de alunos da 9.ª série do ensino fundamental envolvidos em brigas com pessoas portando armas de fogo.

O índice de Curitiba é de 5,9%, ficando atrás apenas de Boa Vista (RR), que registrou 6,4%. A média nacional é 4%. Na mesma análise, só que em brigas envolvendo arma branca, a capital ficou como a quarta cidade com maior incidência de casos: 8,3%, enquanto a média nacional é de 6,1%.

O IBGE aponta ainda que em 2009, 10,3% dos alunos que frequentaram o 9.º ano no ensino fundamental de Curitiba foram agredidos fisicamente por um adulto da família 30 dias antes de serem entrevistados pelo instituto. Esse resultado coloca Curitiba como a sexta capital com maior índice de violência domiciliar contra jovens. A média nacional é de 9,5%.

Em todo o Paraná, segundo o IBGE, existiam, em 2009, 12 delegacias destinadas às crianças e adolescentes e 51 juizados especializados no atendimento de crianças e adolescentes.

Esses órgãos são os responsáveis pelo atendimento em ocorrências como estas envolvendo os mais novos. A reportagem questionou a Secretaria de Estado da Educação (Seed) sobre as constatações do IBGE sobre as escolas de Curitiba, mas não obteve resposta.

Esporte

Curitiba, por outro lado, foi a cidade com a segunda melhor proporção de alunos do 9.º ano do ensino fundamental que praticavam pelo menos 300 minutos de atividade física por semana. Na capital, dos 25.388 entrevistados, 51% afirmou ter cumprido essa quantia de exercícios sete dias antes da pesquisa.