Os profissionais que atuam nos equipamentos municipais da Criança da regional Bairro Novo começam hoje um curso de capacitação sobre como reconhecer e encaminhar crianças vítimas de agressão – física e psicológica – para a Rede de Proteção à Criança e Adolescente em Situação de Risco. O curso acontece das 8h30 ás 12 horas, no Salão da Igreja São José, no Largo Padre Albino Vico, 32, Capão Raso.

O curso é uma ação conjunta das secretarias municipais de Educação, Saúde, Meio Ambiente e Criança, do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano (Ippuc), e da Sociedade Paranaense de Pediatria. Formada em 2000, a Rede tem como objetivo avaliar e investigar todos os diagnósticos de violência infantil, além de acionar os parceiros envolvidos e desencadear uma série de ações de proteção.

Com a capacitação, os profissionais poderão reconhecer os sinais de violência física, sexual, psicológica e negligência. Além disso, poderão implantar uma ficha de notificação diante da comprovação da suspeita de violência e conhecer os órgãos que fazem o atendimento de emergência (SOS Criança, Conselhos Tutelares, projeto Sentinela, atendimentos ambulatoriais).O curso terá continuidade nos dias 13, 18 e 24 de junho.

Antes da criação da Rede de Proteção não havia uma forma integrada de trabalho a partir de uma denúncia de maus tratos contra criança. Agora, quando existe uma suspeita levantada na escola, na creche ou na unidade de saúde, é realizada uma notificação à família, que passa a ser acompanhada até que esteja comprovado que a criança ou adolescente esteja protegido.

No treinamento, os profissionais aprendem também a reconhecer as características mais comuns das crianças vítimas de maus tratos e a abordar a criança e a sua família. De acordo com as pesquisas realizadas junto ao IML e ao SOS Criança, os maiores agressores de crianças e adolescentes são da própria família.