Curitiba lidera disparado as denúncias de fura-filas na vacinação de covid-19 no Paraná. A Controladoria-Geral do Estado (CGE) recebeu em pouco mais de uma semana 200 denúncias até a manhã de quarta-feira (10). Desse total, 39 são da capital, representando quase 20% das reclamações de todo o estado. Em segundo lugar, vem Maringá, no Noroeste do estado, com sete denúncias. Tijucas do Sul, na região metropolitana de Curitiba, é o terceiro município com mais queixas, cinco no total.

LEIA TAMBÉMIdosa faz 100 anos um dia antes de tomar dose de vacina contra covid-19 em Curitiba. “Quero viajar!”

Dos 399 municípios do Paraná, 81 têm denúncias de pessoas que não teriam respeitado a ordem de vacinação. Há ainda 16 denúncias em que a cidade não foi identificada. Do total de 200 denúncias, três tinham suspeita de participação de servidores públicos, o que já foi descartado na apuração.

A CGE está divulgando denúncias na página Paraná sem Fura-Fila, dentro do portal do governo do estado. As denúncias são por municípios e regionais de Saúde do estado, sem revelar a identidade de ninguém. As suspeitas também podem ser feitas na mesma página.

Outra opção de denunciar os fura-filas da vacina são pelos telefones 0800 041 1113 e (41) 3883-4014 – o segundo número atende pelo Whatsapp. O registro de suspeitas de irregularidade também pode ser feito no site da CGE, na aba Ouvidoria. Por e-mail, a denúncia de ser encaminhada para ouvidoria@cge.pr.gov.br.

Cruzamento de informações

A partir das denúncias, a CGE cruza informações e inspeciona as prefeituras, que são responsáveis pela aplicação da vacina. “A CGE tem estrutura para receber manifestações de qualquer lugar do Paraná, seja pela internet ou telefone. Também nos dispomos a ir até os municípios e regionais conferir a recepção das doses e a conformidade com os planos de imunização”, aponta o controlador-geral Raul Siqueira à Agência de Notícias do Estado.

Para fazer o cruzamento das informações e constatar se alguém realmente furou a fila da vacinação, a CGE solicitou às prefeituras a lista das pessoas vacinadas. As denúncias também são encaminhadas ao Ministério Público do Paraná (MP-PR), responsável por apurar judicialmente as irregularidades.

Tanto a CGE quanto o MP-PR fazem parte da Rede de Controle, força-tarefa criada para monitorar possíveis irregularidades na vacinação da covid-19 no Paraná. Também participam da rede o Tribunal de Contas do Estado, o Ministério Público Federal (MPF) e o Tribunal de Contas da União (TCU).

Multa para fura-filas em Curitiba

Na terça-feira (9), a Câmara de Vereadores de Curitiba aprovou aplicação de multa entre R$ 5 mil e R$ 150 mil a quem furar a fila da vacinação de covid-19. A punição foi incluída na lei municipal 15.799 sancionada em janeiro, que prevê multas a quem descumprir medidas preventivas do coronavírus, como o uso de máscara e participar de aglomerações. Para entrar em vigor, a punição de quem não segue a ordem da vacinação precisa ser sancionada pelo prefeito Rafael Greca (DEM), o que deve ocorrer nos próximos dias.