A Defesa Civil Estadual monitora a área alagada em Querência do Norte (Noroeste do Estado), mas, por enquanto, a prefeitura disse não precisar intervenção. Na quarta-feira (6), uma equipe sobrevoou a região que sofre com enchentes causadas pelas chuvas e pela abertura de comportas das usinas hidrelétricas paulistas de Ilha Solteira, Jupiá e Engenheiro Sérgio Motta (Porto Primavera), na bacia do Rio Paraná.

Segundo a avaliação preliminar da Defesa Civil, o nível da água está cerca de quatro metros acima do normal nos rios Paraná e Ivaí. Conforme divulgado pela prefeitura de Querência do Norte, cerca de 200 pessoas foram atingidas com as cheias. A regional do Corpo de Bombeiros de Umuarama foi designada para fazer o levantamento constante das áreas alagadas e o cadastramento das famílias atingidas.

O sobrevoo percorreu cerca de 32 quilômetros até Pontal do Tigre, no município vizinho de Icaraíma, onde o Rio Ivaí deságua no Rio Paraná. “Fazemos a prevenção. Como o volume das chuvas aumentou, nosso receio é que a área alagada seja um pouco maior que a dos outros anos”, explicou o coronel Washington Alves da Rosa, coordenador estadual da Defesa Civil e secretário-chefe da Casa Militar.

De acordo com Washington, a prefeita de Querência do Norte, Rosenei Ragiotto, afirmou que, como as cheias são problemas sazonais, o município estava preparado e ainda não necessita de intervenção da Defesa Civil Estadual. “Mas continuaremos avaliando a área constantemente e assim que verificarmos a necessidade o Estado vai atuar”, afirmou o coronel Washington.