O administrador de empresas, consultor e professor Luiz Mauro Lebelem, 45 anos, conta que ligou pelo menos dez vezes ao Procon-PR nas duas últimas semanas. Queria registrar queixa por ter sido mal atendido por uma prestadora de serviços. Acabou resolvendo o problema por conta própria, mas, não satisfeito, procurou a sede do Procon-PR, em Curitiba, para registrar sua indignação.

“Sempre que eu ligava, a mensagem era a mesma: pedia para aguardar, depois dizia que todas os atendentes estavam ocupados e falava para ligar mais tarde. Achei um desrespeito com o consumidor e resolvi denunciar o problema porque é uma questão de cidadania”, declarou Lebelem. O coordenador do Procon-PR, Naim Akel Filho, por sua vez, reconheceu a dificuldade de atendimento e alegou que o interesse coletivo está acima do individual.

“O consumidor já tem poucas alternativas e órgãos que realmente funcionam. E o Procon é o mais divulgado. Por isso resolvia ir a fundo, insistir. Fui, inclusive, pessoalmente ao Procon, mesmo com o meu problema já solucionado”, comentou o administrador. Segundo ele, a informação que obteve foi de que a coordenação estaria com problemas de pessoal e falta de linhas telefônicas. “Mas isso não é problema do consumidor, e sim do Procon-PR com o governador, que é quem mantém o órgão e paga os salários.” Para ele, a grande placa localizada na entrada do prédio do Procon, com o número gratuito 0800, é uma propaganda enganosa. “É um número que não funciona”, reclama. Apesar de não ter sido atendido, Lebelem conta que não desistirá: quando surgir um novo problema, vai voltar a procurar o serviço. “O Procon tem um papel muito importante. Como todo contribuinte paga o salário deles (funcionários), é justo que dê retorno para a sociedade.”

Procon-PR

O coordenador do Procon-PR, Naim Akel Filho, admitiu que existe dificuldade de entrar em contato com o órgão pelo número gratuito 0800-41-1512. Segundo ele, são 17 ramais disponíveis, mas o ideal seriam cinqüenta ramais. “É um investimento que, mesmo que pudesse, não o faria, porque existem muitas outras prioridades como concretizar o sistema de interligar todos os Procons do Estado”, afirmou Akel. Além disso, continuou, o interesse coletivo deve se sobrepor ao individual. “O serviço é público, não particular, portanto a gente tem que dar importância a assuntos coletivos”, comentou.

Quando o consumidor realmente não conseguir contato pelo 0800, a recomendação do coordenador é que busque outras alternativas, como a internet (site: www.pr.gov.br/proconpr), a ligação paga pelo (41) 362-1512 ou procurar pessoalmente o órgão na Rua Francisco Torres, 253, centro de Curitiba.

“Gostaria de oferecer atendimento vip, mas existem limitações reais e intransponíveis, como gastos com o sistema de proteção, informatização dos Procons, ampliação do número de pessoal e de linhas telefônicas”, justificou. O 0800 funciona de segunda a sexta, das 8h30 às 19h.

Segundo levantamento parcial do Procon-PR, em outubro foram realizados 9.912 atendimentos, dos quais 6.275 foram por telefone (63%), 2.566 pessoalmente, 1.064 por e-mails e sete cartas.