Mesmo com a ameaça de Eliane Chomatas, secretária de Saúde de Curitiba, de só negociar com os dentistas em greve após o encerramento das manifestações, os cirurgiões-dentistas voltam a se manifestar em frente ao Palácio 29 de março, sede da Prefeitura Municipal de Curitiba.

Há cinco dias em greve, algumas unidades de saúde não têm cirurgiões-dentistas para atender a população. A culpa, segundo representantes da categoria, é da Prefeitura que não soube realocar os 30% determinados por lei.

De acordo com informações da Prefeitura, já foram realizadas quatro reuniões de negociação, sem consenso, antes de a categoria entrar em greve. A proposta da prefeitura é de um aumento salarial de 20% (10% em janeiro de 2012 e os outros 10% em janeiro de 2013).

Os grevistas acusam a prefeitura de uma redução de 20% na gratificação Estratégia de Saúde da Família da categoria. Proposta essa recusada pelo comitê de negociação dos grevistas.

O pedido dos grevistas é baseado no Artigo 80 da Lei Orgânica do Município, que tem em seu texto a isonomia salarial. “Não queremos aumento, queremos isonomia com os médicos”, relatou Sibele Pereira Oliveira, cirurgiã-dentista da PMC.

Concentrados em frente ao prédio da Prefeitura, os grevistas aguardam para serem recebidos pelo prefeito Luciano Ducci. No entanto, não há previsão de que o prefeito receba os representantes dos grevistas.